Padres hostilizados por apoiadores de Bolsonaro no Ceará são inscritos em programa de proteção do estado

·1 minuto de leitura

RIO — Os padres Lino Allegri e Oliveira Braga Rodrigues, hostilizados por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro durante uma missa na no último dia 11, na Paróquia da Paz, na Aldeota, em Fortaliza Ceará, foram inscritos, nesta segunda-feira, no Programa estadual de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH-CE). A solicitação para a inscrição dos dois já ffoi encaminhada ao programa, coordenado pela Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS).

Os religiosos foram recebidos no Núcleo de Atendimento às Vítimas de Violência (NUAVV) do Ministério Público e relataram à promotora Joseana França, coordenadora do NUAVV), as agressões que vêm sofrendo quando celebram missas na paróquia. Para o MP, a situação configura "várias condutas ilícitas por parte de algumas pessoas que frequentam a igreja".

Além da inclusão no programa de proteção, Lino e Oliveira receberam também oferta de atendimento psicológico.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos