Paes diz que medidas de restrição foram prorrogadas após aumento de 20% na procura por emergências no Rio

Felipe Grinberg
·5 minuto de leitura

RIO — O prefeito do Rio Eduardo Paes prorrogou nesta quinta-feira, dia 11, as medidas de restrição na cidade do Rio, que vão do dia 12 a 22 de março, após o aumento pela procura de emergências de pessoas com Covid-19. Em entrevista coletiva nesta manhã, Paes afirmou que subiu 20% o número de pacientes com o coronavírus em UTIs e enfermarias. O medo é que esse número amplie a quantidade de infectados da doença na capital nas próximas semanas. Paes afirmou que 18 novos casos foram notificados de nova variantes no Rio, um deles residente da cidade. Ao todo, a Fiocruz comunicou 43 casos e após a vigilância epidemiológica foram confirmados 13 moradores da capital.

— Nós não vamos ficar esperando lotar as emergências para fazer alguma coisa. Os números hoje apontam para uma situação difícil daqui a um tempo. Tivemos ano passado em torno de 3 mil pessoas na cidade do Rio que perderam vida na maca. Não puderam ser atendidas. Não vamos ficar esperando lotarem as emergências e as pessoas começarem a morrer — diz.

Entretanto, uma semana após decretar o fechamento de bares e restaurantes às 17h para conter a pandemia de Covid-19, Paes ampliou o horário de funcionamento desses estabelecimentos para 21h. A decisão de Paes ocorre dias após a prefeitura brigar e conseguir na Justiça uma liminar que obrigasse os estabelecimentos a respeitarem o horário de fechamento às 17h.

Na última sexta-feira, primeiro dia que o decreto entrou em vigor, os estabelecimentos conseguiram uma liminar na Justiça que permitia o funcionamento até as 20h. No decreto desta quinta-feira há outra liberação, a de serviços nas praias, incluindo ambulantes fixos e itinerantes, até as 17h, o que estava proibido no último decreto.

Alterações nas medidas

O prefeito explica que, se os bares não cumprirem as medidas, vão ser fechados por duas semanas. Em caso de reincidência, o alvará pode ser cassado em definitivo. Paes não descartou fazer medidas mais duras em três bairros onde acontecem muitas aglomerações: Lapa, no Centro; Leblon, na Zona Sul; e Campo Grande, na Zona Oeste.

— Demos uma flexibilizada nas regras de funcionamento dos restaurantes e bares. Vão poder funcionar até 21h e depois não vai ser permitido o consumo nesses locais. Nós identificamos que as duas áreas mais transmissão são o transporte e bares/restaurantes pela interação das pessoas. As medidas da semana passada foram importantes, úteis, necessárias e respeitadas. Se não respeitar, vamos fechar por 15 dias. Se for reincidente, vamos cassar o alvará em definitivo — afirma o prefeito, que ainda alertou:

— Se identificarmos que alguma área temos uma maior aglomeração, podemos tomar medidas para aquele perímetro. Temos polos como Lapa, Dias Ferreira, Campo Grande. Podemos ter medidas específicas para esses lugares.

Para Paes, as medidas reduziram drasticamrnte a circulação de pessoas na cidade no primeiro período do decreto. O prefeito diz que as medidas ainda podem ser adaptadas, como foi o caso do quiosques, que ficaram fechados, assim como a proibição dos ambulantes de circularem nas praias. No novo decreto, ambos podem atender até as 17h.

— Esse é um processo de aprendizado. O que tava acontecendo é que falavamos, entrava por um ouvido e saia pelo outro, com a população desrespeitando. Tomamos medidas radicais que reduziu drasticamente a redução de circulação da cidade. Entendemos que flexibilizar um pouco não terá problema. Mas essas regras podemos voltar atrás. É obvio que falamos de um setor que emprega muita gente, e o Rio tem um grande índice de desemprego. Buscamos adequar a possibilidade de restringir e preservar vidas com a geração de empregos. Algumas medidas acredito que foram exageradas, como o restaurante podia até as 17h e o quiosque não? Vamos ajustando a realidade — diz.

Tentativa de diminuir aglomeração no transporte

A prefeitura do Rio ainda definiu um horário específico de funcionamento para diversos setores econômicos na cidade, para tentar diminuir a aglomeração nos transportes públicos. Para definir os horários, a prefeitura levou em consideração o número de trabalhadores de cada setor e os horários de pico nos transportes públicos.

— É uma tentativa de diminuir a pressão sob os transportes públicos que, junto com bares e restaurantes, são os principais vetores de contaminação. Debatemos com diversas instituições também dos setores para chegar a esses horários. A ideia é que as pessoas peguem o transporte em horários diferentes, mas podemos mudar as regras caso a gente observe um comportamento inadequado de algum setor — disse Paes.

Os novos horários de funcionamento:

Serviços: 8 horas às 17 horas;Administração Pública: 9 horas às 19 horasComércio em geral: 10h 30 às 21 horas

Os estabelecimentos em shoppings e centros comerciais precisam obedecer o horário de acordo com suas atividades.

Veja o que pode e o que não pode:

bares e restaurantes só poderão abrir das 6h às 21h, e com 40% de ocupação, inclusive em shoppings centers — o take away (retirada) de alimentos também está proibido, mas o delivery (entrega) está liberado mesmo após o horário finalquiosques na orla, barraqueiros fixos na areia e ambulantes podem fazer atendimento até as 17hprestação de serviços tem horário de funcionamento das 8h às 17hrepartições públicas podem funcionar de 9h às 19hcomércio, incluindo os shoppings, funcionam das 10h30m às 21hacademias funcionam com capacidade reduzida sem restrição de horáriocontinua proibido permanecer em ruas, espaços públicos e praças entre as 23h e as 5h. A multa para quem descumprir essa medida é de R$ 562,42permanecem vetados eventos, festas e rodas de sambao funcionamento de boates, casas de espetáculo, feiras especiais, feiras de ambulantes e de artesanato continua proibidofeiras livres estão liberadas

Atividades que permanecem com as mesmas regras:

escolasagências bancáriasatividades esportivasáreas de lazersupermercadosconsultas médicashospitaistransporte de passageirosentrega em domicílioveterináriosatividades essenciais - profissionais de saúde e indústriaspiscinas, quadras e áreas comuns em condomínioscinemaspostos de combustíveisfarmáciasmissas e cultos religiososhotéis, pousadas e alberguescadeia de abastecimento e logística