Paes vai se encontrar com França para tratar de incêndio no Galeão e tráfego no Carnaval

O ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, disse que a “emergência do Carnaval” e o incêndio em um terminal de cargas serão os temas principais da reunião que vai tratar da situação do Galeão, aeroporto internacional do Rio de Janeiro, com o prefeito Eduardo Paes. O encontro, que acontece no sábado, vai buscar soluções para o aeroporto, já que há quase um ano a concessionária RIOGaleão apresentou um pedido de devolução da administração do terminal ao governo federal.

― O prefeito pediu a reunião para que a gente conversasse sobre as alternativas que ele enxerga e tudo isso está vinculado à emergência do carnaval, época muito importante para o Rio e que foi agravada pelo incêndio de ontem. A gente tem preocupação que as pessoas que venham ao Rio se sintam atendidas pelas condições de um equipamento público que está concessionado ― disse o ministro ao deixar o Palácio do Planalto nesta quinta-feira.

Segundo França, o governo federal também conversará com a concessionária. A reunião – que também terá a presença da ministra do Turismo, Daniela Carneiro, e do presidente da Embratur, Marcelo Freixo – vai buscar soluções para esse impasse, que foi agravado pelo incêndio na quarta-feira. Um terminal de carga pegou fogo e corre risco de desabamento.

― Vamos tratar de formato que, digamos, é o ortodoxo, que segue roteiro, mas caso não haja formato ortodoxo vamos tomar providência porque não pode a pessoa não ter serviço prestado. São várias [soluções], mas dentre elas, evidentemente, o governo pode a qualquer instante retomar a situação para poder não deixar a situação ficar um caos para as pessoas que estão chegando ― disse o ministro.

Desde fevereiro do ano passado, a concessionária RIOGaleão já manifestou intenção de devolver o ativo. A Changi, empresa de Cingapura que controla a concessionária, alegou prejuízo financeiro de R$7,5 bilhões em perdas com a pandemia e decidiu deixar o negócio no Brasil.

O processo de devolução tramita em Brasília. No ano passado, a concessionária assinou um termo aditivo para continuidade do processo. A RIOGaleão cumpre um cronograma de devolução do aeroporto para a União.