Pagamento emergencial a moradores de Brumadinho será reduzido pela metade

FERNANDA CANOFRE
***ARQUIVO***BRUMADINHO, MG, 29.01.2019: Estragos causados pela Lama após o rompimento da Barragem na Mina de Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - Um acordo firmado nesta quinta-feira (28) na 6ª Vara da Fazenda Pública Estadual e Autarquias, em Belo Horizonte, garantiu a prorrogação de pagamentos emergenciais a atingidos pelo rompimento da barragem B1, da Vale, na mina Córrego do Feijão.

Previsto para terminar em janeiro de 2020, quando o desastre --que deixou 256 mortos e ainda tem 14 desaparecidos-- completa um ano, o pagamento foi estendido por 10 meses, mas terá redução. 

Hoje, seguindo o acordo firmado em fevereiro, a Vale paga um salário mínimo para adultos, metade do valor para adolescentes e um quarto para crianças, para todos os residentes da cidade de Brumadinho e pessoas que viviam a até 1 km da margem do rio Paraopeba na área atingida.

A partir de janeiro do próximo ano, apenas moradores de cinco comunidades atingidas --Córrego do Feijão, Parque da Cachoeira, Alberto Flores, Cantagalo e Pires--, quem vive às margens do córrego Ferro-Carvão e pessoas atingidas que participam de programas de apoio da Vale (como auxílios moradia e assistência social), terão o valor integral mantido.

Para as demais pessoas que hoje recebem o pagamento, como os moradores da cidade de Brumadinho, os valores serão reduzidos em 50%. Segundo a Vale, a redução abrange de 93.000 a 98.000 beneficiários entre as 106.000 pessoas que recebem hoje pagamento emergencial.

"Não foi o esperado, mas tivemos uma grande vitória [com a renovação]. Estarei na luta para não deixar esse emergencial acabar. A nossa cidade sofre muito com esse crime da Vale", diz o prefeito da cidade, Avimar de Melo Barcelos (PV).

Dados da secretaria de saúde de Brumadinho apontam que a cidade passou de 38.000 para 43.000 registrados no decorrer do ano. O dado não vale como um censo, mas indica um aumento de moradores.

De acordo com a Vale, das 106 mil pessoas que recebem o pagamento, 53 mil vivem na cidade onde ficava a barragem que se rompeu. Em seguida, vem as cidades de Betim, com 19 mil atingidos, São Joaquim das Bicas com 14 mil, Juatuba, 9500 e Mário Campos com 7500.

A mineradora estima que já foi pago mais de R$ 1,1 bilhão nas indenizações emergenciais e aponta que cerca de 2000 pessoas foram identificadas em fraudes pela Polícia Civil de Minas.

O acordo assinado nesta quinta também garantiu que os valores não poderão ser descontados de indenizações individuais a serem pagas pela mineradora no futuro, apenas do montante para de indenização coletiva. 

"Até que se conclua o processo de reparação integral, a empresa causadora do desastre, que é a Vale, precisa assegurar as condições de subsistência das pessoas atingidas. O pagamento emergencial é essencial para isso", afirma o procurador Edmundo Dias.

Apesar de afirmar que o pagamento da indenização é para aqueles que já se encontram cadastrados -- reconhecidos como elegíveis ou à espera de serem reconhecidos -- o acordo ressalta que podem ser incluídas novas comunidades, assim como pode ser solicitada a exclusão de outras.

A identificação definitiva de atingidos, incluindo comunidades que não estavam próximas à lama, só deve acontecer com o trabalho em campo das assessorias técnicas que já foram escolhidas, mas ainda não foram contratadas.

A defensora pública de Minas Gerais Carolina Morishita, que trabalha na força-tarefa com Ministérios Públicos Federal e Estadual e Defensoria Pública da União, diz que por mais que confie que o processo de contratação ande rápido, no momento, os atingidos não podem esperar.

"Mesmo [a contratação] sendo rápida, a gente não pode se dar ao luxo de deixar as pessoas desprovidas um mês que seja, e estávamos com essa data limite do dia 25 de janeiro. Isso é muito gravoso", diz ela.

A Vale afirmou por meio de nota que "a prorrogação do acordo reforça seu compromisso com a reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem, de forma célere e abrangente".