Pai matou adolescente que estava desaparecida há um ano, diz polícia; entenda o caso

Pai matou a própria filha, segundo a polícia - Foto: Arquivo Pessoal
Pai matou a própria filha, segundo a polícia - Foto: Arquivo Pessoal
  • Pai matou a própria filha, de 17 anos, e escondeu corpo no quintal de casa, diz a polícia

  • Garota estava desaparecida há mais de um ano, até ossada ser encontrada enterrada

  • Suspeito foi indiciado pelos crimes, mas fugiu e está desaparecido

A Polícia Civil concluiu que a adolescente Agata Gonzaga Peixoto, de 17 anos, foi assassinada pelo próprio pai. Uma ossada, supostamente da jovem, foi encontrada enterrada no quintal de uma casa em Ilha Comprida, litoral de São Paulo.

Agata está desaparecida desde o ano passado. Após investigação, a polícia encontrou restos mortais de uma pessoa na casa onde ela vivia com o pai na cidade. Uma análise genética deve confirmar que o corpo era mesmo da adolescente.

Pai foragido

Segundo o delegado responsável pelo caso, Carlos Eiras, o pai de Agata, Gutenberg Peixoto Alves de Souza está desaparecido e é considerado foragido.

Eiras explicou ao g1 que "ele (Gutenberg) sendo achado ou não, será indiciado por esse homicídio e pela ocultação de cadáver". A Justiça também já decretou a prisão temporária do suspeito.

Desaparecimento da vítima

Testemunhas contaram aos investigadores que Agata desapareceu após três meses vivendo com Gutenberg em Ilha Comprida. Antes disso, ela havia sido criada pelos avós, após ser abandonada pelos pais.

O desaparecimento da jovem foi reportado à polícia por um tio no último dia 26 de outubro. Segundo o parente, a vítima não era vista há mais de um ano.

Mentiras do pai

Questionado pelos familiares, Gutenberg dizia que Agata havia deixado sua casa para ir morar com a mãe em Itanhaém, também no litoral paulista.

Após o início da investigação, a mãe da jovem desmentiu a informação e disse que não havia sido procurada pela filha. O pai, então, mudou a versão e garantiu que Agata havia fugido para Sorocaba, no interior do estado, com um rapaz.

Localização dos ossos

Os policiais responsáveis pelo caso encontraram os restos mortais de uma pessoa enterrados no quintal em que Agata vivia com Gutenberg, enrolados em uma rede e um lençol.

O Instituto de Criminalística (IC) e o Instituto Médico Legal (IML) foram chamados e deram início à análise de perícia. A expectativa é de que o laudo confirme que os ossos eram da jovem.

Supostos abusos são investigados

Ex-companheira de Gutenberg e ex-madrasta de Agata, uma mulher relatou à polícia que havia presenciado abusos sexuais cometidos pelo pai contra a filha.

Outras testemunhas, em depoimento, disseram que estranhavam o quão protetor o homem era com a adolescente. "Esse comportamento de ficar protegendo até demais é típico de quem está molestando", apontou o delegado Eiras ao g1.

"Todavia, não conseguimos achar ninguém a quem ela teria relatado isso, além da ex-madrasta que relatou esses eventuais abusos. Até as amigas íntimas dela falaram que ela nunca falou nada sobre essa questão de abuso."