Pai obriga filha a andar 8km a pé no frio como castigo por bullying

Garota de 10 anos ganha castigo por bullying em ônibus escolar (Reprodução/Facebook)

Ao saber que sua filha de 10 anos estava praticando bullying na escola, o norte-americano Matt Cox decidiu aplicar um castigo à garota que dividiu opiniões na internet: ele a fez caminhar cerca de 8km entre sua casa e a escola por três dias e em uma temperatura que se aproximava de 0ºC. A atitude foi registrada em vídeo no Facebook e já soma mais de 18 milhões de visualizações.

Nas imagens, feitas pelo próprio pai e divulgadas na última semana, ele explica o porquê da punição: a garota havia sido expulsa do ônibus escolar pela segunda vez por praticar bullying contra colegas, sendo suspensa do transporte por três dias. Como teria de ser levada de carro até o colégio pelos familiares, o pai achou que a situação seria uma boa oportunidade para ensiná-la um pouco sobre a importância de respeitar o próximo.

“Sei que muitos não vão concordar com isso, mas tudo bem. Estou fazendo o que acho correto para ensinar a ela uma lição e fazer-la parar com o bullying”, explica Cox no vídeo. “Muitas crianças hoje em dia acham que o que os pais fazem por elas é um dever e não um privilégio”, acrescenta, afirmando que ela deveria valorizar mais o acesso ao colégio escola por meio do ônibus escolar, assim como caronas concedidas pelos pais.

O caso, que ocorreu em Swanton, no estado do Ohio, rendeu a Cox diversos comentários de outros pais o parabenizando pelo caso. “Pai do ano! Não tenho aparecido por aqui há meses, mas depois de ver o vídeo no noticiário local pensei em te dar os parabéns”, escreveu a internauta Nina Profera.

Outros internautas se limitaram a criticar a atitude e a exposição da história. “Falso demais, colega. Faça o que quiser para chamar atenção”, postou o usuário Rick Haner.

Após a grande repercussão do caso, Cox atualizou a postagem para dizer que a garota aprendeu sua lição: “Ela mantém todas as extremidades intactas, está feliz, saudável e parece ter aprendido um novo olhar sobre o bullying assim como o valor concedido a coisas simples da vida que ela encarava como garantidas”.