Pais de anestesista preso por estupro desocupam apartamento em meio ao choque da vizinhança

Desde que o Giovanni Quintella Bezerra foi preso em flagrante por estupro durante um parto no último domingo, os pais tem ido até o local em que ele morava sozinho de aluguel na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, para desocupar o imóvel. Sempre bem cedo, entre 6h e 7h da manhã, eles chegam com um semblante sério e saem sem falar com ninguém. O pedido para liberar o apartamento o mais rápido possível veio do proprietário, que ficou chocado com o crime.

De acordo com pessoas do convívio de Bezerra, ele era uma pessoa extremamente reservada e não costumava conversar com ninguém. Mas uma coisa era frequente na vida dele e de conhecimento de todos: todo dia ele ia para a academia que fica ao lado do prédio em que morava.

— Ele era extremamente vaidoso, às vezes ficava na academia até o último horário. Treinava com um personal trainer e nunca batia papo com mais ninguém — comentou X., que não quis se identificar.

Uma outra pessoa da vizinhança comentou como os moradores e frequentadores da academia reagiram ao saber do crime cometido pelo anestesista.

— Todos ficaram chocados. A gente via o Giovanni diariamente. É bem estranho pensar que ele fez aquilo. Ele parecia normal — relatou Y., que também preferiu não se identificar.

De acordo com pessoas ouvidas pelo EXTRA, falar sobre o médico preso é difícil porque ele nunca deu abertura para ninguém se aproximar. O anestesista não tinha o hábito de receber amigos em seu apartamento, mas costumava estar acompanhado de mulheres. Na busca por encontrar motivos que pudessem justificar os atos de Giovanni, eles não encontram nada.

— Ele era rico, tinha uma condição boa, uma namorada linda. Ele tinha tudo, não dá pra entender — desabafa X.

A família de Giovanni também mora na Barra da Tijuca. Os pais são separados e, aparentemente, estão sem chão com o escândalo. O pai é médico, tem 41 anos de carreira e é dono de uma clínica de ginecologia. Nesta quarta-feira (13), o estabelecimento, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, estava fechado. A equipe do EXTRA não conseguiu contato com a família.

Giovanni Bezerra atuou em pelo menos dez hospitais públicos e privados. Os hospitais Copa Star e Barra D’Or, Rio Mar e Balbino informaram ao GLOBO que o cadastro de Giovanni como médico assistente está suspenso até a conclusão do inquérito policial. A Unimed-Rio informou que vetou qualquer possibilidade de atuação do médico em suas unidades.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) disse que o Bezerra prestava serviço há seis meses como pessoa jurídica para os hospitais estaduais da Mãe, da Mulher e Getúlio Vargas e que as unidades estão em contato com a Polícia Civil para colaborar com as investigações. O Hospital de Clínicas Mário Lioni decidiu pelo cancelamento imediato do credenciamento de Giovanni como prestador de serviços na unidade.

O EXTRA questionou se os hospitais particulares preveem a abertura de uma sindicância para apurar as cirurgias em que o médico anestesista preso por estupro participou, mas ainda não teve resposta.

*Estagiária sob supervisão de Leila Youssef

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos