Pais de colégio no RJ fazem abaixo-assinado contra obrigatoriedade da vacina

·2 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2020 - Still de mão segurando uma seringa para vacina. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 19.03.2020 - Still de mão segurando uma seringa para vacina. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Pais de alunos da Escola Americana, no Rio de Janeiro, fizeram no último fim de semana um abaixo-assinado contra a decisão do colégio de exigir a vacinação contra a Covid-19 dos estudantes a partir de 5 anos. A informação foi divulgada pelo colunista Lauro Jardim, de O Globo, e confirmada pela Folha.

Na sexta-feira (7), a direção da escola enviou para os pais uma circular afirmando que, diante da inclusão das crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação, a comprovação da imunização desse grupo passaria a ser exigida para as aulas presenciais no colégio.

"Todos os funcionários da Escola Americana do Rio de Janeiro estão totalmente vacinados contra a Covid, assim como os estudantes de 12 a 18 anos que têm aulas presenciais. Agora aguardamos com expectativa a extensão da mesma proteção aos estudantes da Lower School [escola primária]", diz o comunicado.

Mesmo diante da nova onda de transmissão com a variante ômicron, alguns pais reagiram contra a determinação da direção e criaram um abaixo-assinado intitulado "Interromper a Vacinação COVID Obrigatória na EARJ".

Até a tarde desta terça-feira (11), 280 pessoas haviam assinado o documento. Em seu site, a escola informa que conta com mais de 1.200 estudantes. Segundo levantamento da revista Forbes, a mensalidade no Ensino Médio supera os R$ 8.000.

O abaixo-assinado afirma que a vacinação obrigatória é um tema "complexo e polarizado" e que, portanto, deve ser uma atribuição dos pais. O texto diz que a direção da escola não tem o "direito moral ou a competência médica" de exigir a imunização.

"Conforme está ocorrendo na maioria dos lugares ao redor do mundo, os ministérios da saúde e da educação, únicos órgãos competentes para tornar a vacina obrigatória para crianças, não estão exigindo que crianças sejam vacinadas contra Covid-19, como condição de manterem uma vida normal ou frequentarem as escolas", afirma a petição.

O documento também diz que até o momento apenas a vacina da Pfizer foi aprovada para as crianças, o que limitaria o direito de escolha dos responsáveis sobre qual imunizante administrar aos filhos.

"Por favor, assine essa petição se você desejar que a diretoria da EARJ saiba que você, só você, deve ter o controle sobre decisões médicas relacionadas aos seus filhos, e que as recentes diretrizes devem ser revogadas."

A advogada Paula Las Heras Andrade, a favor da vacinação, tem duas enteadas e uma filha matriculadas na instituição, com 9, 10 e 14 anos.

Andrade diz que o abaixo-assinado a preocupa porque ela acredita ser importante manter um ambiente saudável, com todos vacinados, garantindo a independência e a liberdade de decisão da escola.

"A própria instituição também tem a liberdade de fazer essa escolha [exigir a vacinação]. Qual seria a razão de uma parcela não estar [vacinada], quando todo o grupo está?".

Procurada, a assessoria de imprensa da Escola Americana disse que não se posicionaria sobre o caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos