País enfrentará 'aumentos brutais nos impostos' sem nova Previdência, diz Henrique Meirelles

Fátima Meira/Futura Press

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira, 21, que não acredita em um “sepultamento” da proposta de reforma da Previdência. Em entrevista concedida à rádio Bandeirantes, Meirelles declarou que o tema é prioridade. “Ela está suspensa até que seja encerrada a intervenção no Rio, que é um assunto prioritário, não poderia ser adiada. Terminando isso, a reforma é pauta número 1”, declarou.

Para ele, sem as mudanças na Previdência, o país vai enfrentar “aumentos brutais” nos impostos. “O déficit vai crescendo a cada ano. Daqui 10 anos, a despesa com as previdências deve chegar a 80% do orçamento da União”. Para ele, não se trata de questionar se a reforma será realizada, e sim de definir quando ela deve acontecer.

Questionado sobre a declaração do presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, de que a pauta econômica apresentada pelo governo é como “um café velho e frio”, Meirelles classificou a situação como um mal entendido. A lista é algo que analisa e prioriza os diversos projetos que já estão em tramitação no Congresso”, explicou.