Pais presentes na seleção brasileira ajudam a reforçar imagem de grupo responsável, mesmo jovem

Como conciliar o sonho de jogar uma Copa do Mundo pelo seu país com a experiência de viver esse momento com as pessoas que mais se ama? A cena de Lucas Paquetá deixando o treino recém iniciado no estádio Gand Hamad para acolher o filho que chorava na arquibancada ilustra bem esse desafio. Também deixa claro um comportamento que marca uma seleção mais jovem que a de 2018, em média (28,07 contra 27,46 anos): a preocupação em oferecer bons exemplos como pais presentes, o que ajuda a sustentar uma imagem de maior responsabilidade dos mais jovens, e também contrapor o preconceito e o machismo que impõe às mulheres maior responsabilidade na criação dos filhos.

A CBF não quer inibir essa tendência do grupo, e incluirá uma rotina de contato dos jogadores com suas famílias no local de treinamento quase que diariamente. Os atletas poderão encontrar com mulheres e filhos na área de convivência destinada aos convidados depois das atividades. O local conta com brinquedos para recreação dos pequenos e jogos para os mais velhos. Há também um fraldário, embora poucas famílias tenham filhos recém-nascidos.

Uma delas é a de Gabriel Jesus, pai de Helena, de seis meses, com Raiane Lima. Personagem da cena de fofura, Paquetá, de 25 anos, tem dois filhos, Benício, dois anos, e Filippo, um ano e meio. A mulher Duda Fournier ainda trouxe um sobrinho. Foram os primeiros a chegar e a visitar o treinamento. Para ajudar nas demandas, o meio-campo também mandou ao Catar os pais, os irmãos e familiares da esposa. E mantém contato nas horas vagas para saber se tudo corre bem.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Guia interativo da Copa do Mundo: saiba tudo sobre os 831 jogadores que disputam o Mundial do Catar

Nos próximos dias, outros grupos chegarão para a estreia contra a Sérvia, na quinta-feira, e viverão rotina semelhante junto aos atleta do Brasil. Entre eles a mulher de Éverton Ribeiro, Marilia Nery, com os filhos Augusto e Antônio, de quatro e dois anos, respectivamente. O jogador do Flamengo é outro conhecido por ser um pai que divide com a esposa as atribuições com os pequenos. Mesmo com o insano calendário brasileiro com jogos sem parar, o meia se mostra presente e prioriza os filhos no dia a dia fora do clube. Vai à escola, leva a passeios, e cria oportunidades para que a mulher cuide de si. Em Doha, a família de Ribeiro, pais e irmãos, também estarão presentes para auxiliar na missão com os pequenos.

Parte dos familiares dos atletas se hospedará no requintado bairro Pearl, longe do hotel da seleção, onde não haverá contato em nenhum momento, diferente de 2018, na Rússia. Nas folgas, que ainda não estão certas de acontecer ao longo do Mundial, há possibilidade de visita tanto nos hotéis como em casas que alguns jogadores alugaram para grupos maiores. Em Turim, na Itália, alguns atletas aproveitaram para ter um contato mais próximo nos treinos e no dia de folga. Danilo, que mora na cidade, recebeu os filhos no campo do CT da Juventus, e se despediu com maior qualidade e tempo.

— Nosso familiar perto é muito importante para nos dar força e alegria. Eu ficaria feliz de ver minha família aqui. Isso não tira nosso foco. Ficamos maior parte do hotel e treinando, ficar 20 minutos com eles não atrapalha em nada — afirmou o atacante Richarlison, um dos poucos jogadores que não têm filhos. Entre eles estão ainda Pedro, Bruno Guimarães, Vini Jr, entre outros. Todos interagem bem com as famílias dos colegas e as tratam muitas vezes como suas.

Casos polêmicos são contraponto

Há, no entanto, alguns casos polêmicos na seleção em relação à paternidade. Pamella Cristina Costa Souza acusou recentemente o atacante Rodrygo de não ter relação com os filhos gêmeos que teve de forma acidental. Em entrevista a um canal de televisão, ela afirmou que o jogador a bloqueou nas redes sociais quando ela contou que estava grávida e ainda debochou da situação. "Bate um vento e você engravida", foi a frase que Pamella relatou ter recebido do jogador na época. Os filhos, que têm hoje nove meses, só encontraram com o pai em uma única ocasião, quando o jogador veio ao Brasil e alugou uma sala comercial para conhecer os gêmeos. Segundo Pamella, ela foi proibida de entrar e ele ficou cerca de 20 minutos com os bebês antes de ir embora.

Mais recentemente o zagueiro Éder Militão fechou acordo com a influenciadora Karoline Lima para o pagamento de pensão de Cecília, filha do casal. Na Justiça, ficou acordado um valor de seis salários mínimos, o equivalente a R$ 7.272,00, por mês. Além disso, Éder vai arcar com todos os custos da educação da menina, de apenas três meses, e será responsável pelo pagamento de atividades extracurriculares ilimitadas para a filha. O plano de saúde de Cecília também será custeado pelo pai, assim como o trabalho da babá da menina e da empregada doméstica da mãe dela.

Outro caso bem resolvido de paternidade não planejada é de Neymar. O camisa 10 tem ótima relação com a mãe de seu filho, Davi Lucca, de 11 anos, fruto de uma relação em 2011, quando o jogador era do Santos e não havia sido vendido para o Barcelona. Hoje, o craque tem ótima convivência com o garoto, e posou com ele para o vídeo em que reage à convocação para a Copa do Mundo.