Palácio Maçônico, construído em 1830 e tombado pelo Inepac em 1972, reabre com visitas guiadas em março

·3 min de leitura

RiIO - Enorme e ao mesmo tempo o discreto,o Palácio Maçônico do Lavradio, no centro do Rio, será aberto ao público a partir de março. O prédio do século XIX guarda registros históricos do Brasil e da maçonaria. De 1842 a 1978, o casarão foi sede do Grande Oriente do Brasil, a mais antiga Potência Maçônica Brasileira. Atualmente, a sede fica em Brasília.

Construído no início de 1830, o prédio seria uma escola de teatro e dança. Entretanto, por falta de verba do proprietário, maçons se reuniram para comprar o espaço, que foi usado para abrigar as lojas maçônicas — espaço reservado para reuniões quinzenais ou semanais dos maçons.

O imóvel foi tombado pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac) em 1972 por causa da importância histórica da maçonaria na vida política brasileira do período imperial. Amanhã, para comemorar os 200 anos do Dia do Fico, data em que Dom Pedro I anunciou às cortes portuguesas que permaneceria no Brasil, um evento na frente do palacete cor-de-rosa bebê lembrará que ligação da maçonaria com acontecimentos no país.

No hall de entrada do palacete, as 11 salas, dez templos, a Sala do Conselho e o Templo Nobre fazem o visitante caminhar pela história. Uma cadeira, que teria sido um trono dado de presente a Dom Pedro I, é uma das preciosidades. Não há registros de que o monarca chegou a usá-la. Há também uma mesa, em torno da qual foram realizados os primeiros três encontros de ministros, todos maçons, assim que o Brasil se tornou uma República. Alguns relatos dizem que nesta mesma mesa o primeiro imperador esteve com outras figuras da época para a definição do Dia do Fico. Há também fotos de parte das figuras políticas que faziam parte da maçonaria, como Marechal Deodoro da Fonseca, primeiro presidente do Brasil. Até hoje, o país já teve 12 presidentes maçons.

Como instituição filosófica, o local também guarda joias. Logo na entrada ficam expostas três esculturas de mármore de Carrara que simbolizam a fé, a esperança e a caridade, pensamentos que norteiam a maçonaria. O azul e o dourado das paredes e dos móveis se destacam junto com à enorme quantidade de símbolos espalhados pelo imóvel. Atualmente, na Sala do Conselho, acontecem as reuniões do escalão superior do Palácio Maçônico. Já nas lojas acontecem as reuniões dos associados.

Tradições e mudanças

Hoje, existem 7.500 maçons no Rio, com 300 lojas, e 75 mil associados no país.

— A maçonaria mudou muito em vista do que era antes. Há tradições que são tradições e não devem mudar, mas outras poderão ser revistas, sim. A sociedade se transforma e a Maçonaria também, dentro do pensamento da instituição — disse o grão-mestre do Grande Oriente do Estado do Rio, Aildo Virginio Carolino.

O evento em homenagem ao Dia do Fico será às 9h, aberto ao público, com a apresentação da Banda Sinfônica do Instituto Brasileiro de Educação e Música, em frente ao Palácio Maçônico, na Rua do Lavradio 97, no Centro. Já visitação guiada precisa ser agendada pelo telefone 2262-4311.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos