Palestinos aplaudem intenção de Washington de reabrir seus escritórios

·2 minuto de leitura
O presidente dos EUA, Joe Biden

A liderança palestina aplaudiu nesta quarta-feira (27) a intenção do novo governo dos Estados Unidos, presidido por Joe Biden, de reabrir os escritórios da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em Washington, fechados durante a gestão de Donald Trump.

Na terça-feira, o embaixador interino dos EUA na ONU, Richard Mills, indicou em uma videoconferência do Conselho de Segurança que o governo Biden pretendia "restabelecer os programas de assistência dos EUA" para ajudar os palestinos e "tomar medidas para reabrir as missões diplomáticas fechadas pelo último governo".

"A reabertura do consulado de Jerusalém Oriental, do escritório da OLP em Washington e o compromisso com a solução de dois Estados [uma Palestina independente com Israel] são sinais positivos bem-vindos", disse Jibril Rajub, chefe do partido Fatah, a formação do presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas.

A OLP, liderada pela Abbas, é a entidade reconhecida internacionalmente como representante dos palestinos nos territórios e na diáspora.

O governo Trump suspendeu o financiamento da agência da ONU para refugiados palestinos (UNRWA), fechou o escritório de representação palestina em Washington e fechou seu consulado geral em Jerusalém, que funcionava como uma embaixada dos palestinos.

Além disso, apoiou Israel de várias maneiras, reconhecendo Jerusalém como a capital do país e julgando que os assentamentos israelenses na Cisjordânia - um território palestino ocupado pelo Estado de Israel - não violavam o direito internacional.

Desde que Benjamin Netanyahu recuperou o poder em Israel em 2009, a população dessas colônias aumentou em 50%. Além disso, as autoridades israelenses anunciaram muitos novos projetos durante a presidência de Donald Trump.

"Esperamos que a nova administração [Biden] dê cartão vermelho às medidas unilaterais e expansionistas israelenses [...], que minam qualquer possibilidade de surgimento de um estado palestino independente e soberano", disse Rajub em Ramallah, Cisjordânia, onde a Autoridade Palestina tem sua sede.

Hoje, mais de 475.000 israelenses vivem em colônias na Cisjordânia, onde 2,8 milhões de palestinos também residem. E mais de 200.000 israelenses vivem em colônias em Jerusalém Oriental, a parte palestina da cidade, ocupada e anexada por Israel.

A ONU considera que todas essas implementações são contrárias ao direito internacional.

sh-cgo/gl/tp/jvb/mb/ap/mvv