Palestinos se enfurecem com visita de judeus a mesquita e polícia prende nove em Jerusalém

·1 min de leitura

JERUSALÉM (Reuters) - A tropa de choque israelense entrou em confronto com palestinos que lançavam fogos de artifício em becos da Cidade Velha de Jerusalém neste domingo, depois que uma visita guiada de judeus a um local sagrado aumentou as tensões durante o mês do Ramadã, sagrado para o Islã.

A violência no complexo da mesquita de Al Aqsa, que teve início na sexta-feira, levantou temores de que possa haver uma onda mais profunda de conflitos no local, já que o Ramadã coincide com o festival judaico de Pessach. Os cristãos também celebraram a Páscoa em Jerusalém neste domingo.

Os confrontos deste domingo foram menos violentos, mas a polícia israelense disse que diversos passageiros em dois ônibus ficaram levemente feridos após palestinos arremessaram pedras que quebraram as janelas dos veículos. Nove pessoas foram presas, segundo a polícia.

Palestinos disseram que a polícia israelense limitou temporariamente o acesso ao complexo - que também é um vestígio de antigos templos judaicos - após as orações do amanhecer para permitir uma visita programada de judeus que foram ao local a pé e sob escolta.

Esses visitantes são impedidos de orar ou se aproximar de Al Aqsa - a terceira mesquita mais sagrada do Islã. Para os palestinos, essa escolta foi considerada uma provocação.

A Cidade Velha fica em Jerusalém Oriental, que Israel capturou na guerra de 1967 e que os palestinos procuram transformar em capital de um futuro Estado.

(Tradução Redação Brasília, 55 11 5047-2695)); REUTERS BC)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos