Palmeiras cobra mais de R$ 17mi da WTorre em multas

Verdão, de Dudu, atuou pela 16ª vez no Pacaembu na última quinta (Eduardo Carmim/Gazeta Press)

Nas contas do Palmeiras, a dívida da WTorre com o clube ultrapassou os R$ 17 milhões depois do jogo contra o Bahia, na última quinta-feira, pelas quartas de final da Copa do Brasil. Essa bolada se refere às multas que a construtora tem de pagar por todas as partidas em que o Verdão não pôde contar com o Allianz Parque desde sua inauguração, por causa de shows ou eventos.

De acordo com o contrato assinado entre as partes, a WTorre é obrigada a bancar, a título de indenização, 50% do valor da renda bruta de cada jogo do Palmeiras como mandante fora do Allianz. Na vitória por 1 a 0 em cima do Bahia, por exemplo: com os 28.057 pagantes, a bilheteria foi de R$ 998 mil. Ou seja, além de ficar com a receita líquida, como de costume, o clube também tem direito a R$ 499 mil da WTorre.

“O problema é que, até hoje, eles nunca nos pagaram sequer um real”, revela um membro da diretoria alviverde, em contato com o Blog. A WTorre alega que o Palmeiras também não cumpre uma série de exigências para justificar a inadimplência.

A alternativa encontrada foi fazer a cobrança na esfera judicial. Em primeira instância, porém, o Palmeiras foi derrotado. Entendeu-se que tal pendência seria decidida pela Câmara de Arbitragem da Fundação Getúlio Vargas. O clube contesta, alegando que essa não era uma atribuição da câmara – discutia-se na oportunidade a utilização de 10 mil cadeiras nos dias de jogos e o Palmeiras saiu vencedor.

Então, o departamento jurídico do Verdão recorreu e ainda não há uma decisão em segunda instância da cobrança. Vale lembrar que, desde a inauguração do Allianz Parque, em 20 de novembro de 2014, na partida contra o Sport, o Palmeiras precisou realizar 16 partidas no Pacaembu devido a eventos em seu estádio.