Panasonic mira 20% de aumento na densidade da bateria até 2030

Por Norihiko Shirouzu

(Reuters) - A Panasonic Energy, importante fornecedora da Tesla, está trabalhando numa nova tecnologia para aumentar a densidade de energia de bateria em um quinto até 2030, disse o diretor de tecnologia da empresa japonesa à Reuters.

Esse ganho, se alcançado, poderia aumentar a autonomia de um Model Y, por exemplo, em mais de 100 quilômetros com o mesmo tamanho de bateria. Ou poderia permitir que os fabricantes criassem veículos elétricos maiores e possivelmente mais leves, mantendo a autonomia.

A Panasonic Energy, unidade central da Panasonic, planeja alcançar esses ganhos usando uma nova mistura de aditivos para permitir que células individuais funcionem em uma voltagem mais alta sem prejudicar o desempenho das baterias, disse Shoichiro Watanabe em entrevista.

Um aumento de 20% na densidade de energia provavelmente se traduziria em uma densidade de energia de 900 watts-hora por litro (wh/l) para a célula mais avançada da Panasonic, em comparação com 750 wh/l hoje.

Espera-se que uma nova bateria 4680 de formato maior, já produzida pela Tesla, reduza os custos de produção e melhore o alcance em relação à bateria 2170 atual, disse a montadora.

A Panasonic, primeira fornecedora de baterias da Tesla, planeja iniciar a produção em massa de baterias 4680 no Japão no ano fiscal que começa em abril de 2023 e analisando os locais de produção nos Estados Unidos. A Tesla planeja usar baterias 4680 para alimentar os novos carros Model Y montados no Texas.

A Panasonic desenvolveu uma forma de retardar a degradação de uma bateria em uma voltagem mais alta, que inclui o uso de aditivos novos e mais potentes no eletrólito da bateria, disse Watanabe, também vice-presidente executivo da Panasonic Energy.

A atual célula de bateria da Panasonic para Tesla usa uma voltagem de 4,2 volts e Watanabe disse que um aumento para 4,3 ou 4,4 volts foi possível com uma nova mistura de aditivos para o eletrólito.

A empresa também desenvolveu maneiras de evitar o que os engenheiros chamam de microfissuras, pequenas rachaduras que se desenvolvem no eletrodo positivo quando uma bateria carrega e descarrega, reduzindo sua vida útil. Uma medida de proteção inclui o uso dos chamados "materiais de cristal único" para o eletrodo positivo da bateria, disse ele.

Além disso, a fabricante está trabalhando para substituir mais grafite usado nos eletrodos negativos da bateria por materiais à base de silício para melhorar essa parte da célula, embora a desvantagem seja o custo mais alto do silício.

(Por Norihiko Shirouzu)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos