Pandemia causou impacto profundo nos empregos pelo mundo

·2 min de leitura
Segundo levantamento, o total de horas trabalhadas sofrerá uma queda de 4,3%, quando comparado com o mesmo trimestre de 2019. O número é equivalente a perda de 125 milhões de empregos de tempo integral. (Getty Images)
  • Segundo a OIT, quase 125 milhões de empregos em tempo integral foram perdidos

  • Número corresponde a uma queda de 4,3% nas horas trabalhadas em 2021

  • Vacinas e estímulos econômicos fazem diferença na recuperação dos empregos

De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a pandemia da COVID-19 causou consequências severas no mercado de trabalho. Segundo levantamento, o total de horas trabalhadas sofrerá uma queda de 4,3%, quando comparado com o mesmo trimestre de 2019. O número é equivalente a perda de 125 milhões de empregos de tempo integral.

Leia também

A OIT esperava uma redução de 3,5% ou 100 milhões de empregos, em junho, quando a organização soltou uma previsão sobre os efeitos da pandemia. Europa e Ásia Central foram as áreas menos afetadas. A América (redução de 5,4%), África (5,6%) e Estados Árabes (6,5%) foram as regiões que mais sofreram. “Esta grande disparidade é amplamente impulsionada pelas principais diferenças na implementação das vacinas e pacotes de estímulo fiscal”, informa a OIT.

Vacinas e estímulos econômicos fazem diferença na recuperação dos empregos

A desigualdade na distribuição das vacinas reflete no mercado de trabalho também. Quem teve a oportunidade de avançar na imunização, acabou sofrendo menos. As regiões que sofreram mais para imunizar a população, sofreram com problemas de renda e diminuição nas horas de trabalho. Países que seguem dando estímulos para a população ajudam na retomada econômica e de trabalho.

De acordo com pesquisas, para cada 14 pessoas totalmente vacinadas, um emprego equivalente em tempo integral será adicionado ao mercado de trabalho. Com a falta da vacina, segundo a OIT, a perda de horas seria de 6% e não os 4,3% registrados.

Os pacotes de estímulo fiscal ajudaram na recuperação de vagas de trabalho. Porém, 86% dessas medidas econômicas ficaram concentradas em países ricos. O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, afirmou que a recuperação de trabalho no mundo está estagnada com grandes riscos de queda e uma divergência ainda maior entre as economias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos