Pandemia do novo coronavírus já afeta pré-campanha para as eleições municipais em Rio, SP e Minas

Bernardo Mello, Marcelo Remigio, Dimitrius Dantas e Cleide Carvalho
Eleições municipais estão programadas para outubro, mas crise do novo coronavírus atrabalha pré-campanha em pelo menos três estados

RIO E SÃO PAULO - Enquanto o ministério da Saúde sugere o adiamento das eleições municipais por conta do novo coronavírus, a pandemia já vem criando dificuldades para os principais partidos decidirem suas chapas e nominatas de vereadores para as disputas no Rio, em São Paulo e em Minas Gerais. Reuniões com correligionários estão sendo canceladas, prévias para escolha de candidatos adiadas, filiações feitas só pela internet e até o acerto de pendências com a Justiça Eleitoral está prejudicado.

No Rio, os partidos avaliam a necessidade de adaptações no período das convenções partidárias para escolha de candidatos, entre 20 de julho e 5 de agosto, caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não faça alterações no calendário eleitoral. O PROS, da deputada federal e pré-candidata à prefeitura Clarissa Garotinho, cancelou reuniões marcadas com apoiadores de todo o estado, que estavam marcadas para o dia 28. O PSL, do deputado estadual e também pré-candidato Rodrigo Amorim, decidiu substituir encontros presenciais por transmissões ao vivo nas redes sociais.

— É possível que ainda tenhamos nesse período, no inverno, recomendações para evitar aglomerações. O calendário pré-eleitoral certamente terá que ser rediscutido. Os partidos, por enquanto, estão fazendo isso de forma isolada — afirmou Clarissa.

No PSDB, o pré-candidato Paulo Marinho afirmou que as reuniões do diretório estadual passaram a ser feitas, desde a última quarta-feira, por chamadas de vídeo através de um aplicativo de celular. A ex-juíza Glória Heloíza, pré-candidata pelo PSC, foi lançada oficialmente em evento fechado à imprensa e transmitido nas redes sociais, na segunda-feira, devido a precauções com o Covid-19.

A recomendação de isolamento por conta da pandemia deve adiar a definição da candidatura do deputado federal Marcelo Freixo (PSOL). O partido tem outros dois pré-candidatos — o vereador Renato Cinco e o também deputado federal David Miranda — e estudava realizar prévias.

Patriota, MDB, PL, Avante, PSD e Novo também suspenderam eventos partidários.

Prévias adiadas

Em São Paulo, a direção municipal do PT adiou a realização das prévias que decidirão o candidato do partido na capital paulista, a cidade mais atingida pelo novo coronavírus.

Para o deputado federal Júnior Bozzella (PSL-SP), já existe um prejuízo para a pré-campanha e isso causará impacto no processo eleitoral:

— A mudanças no calendário eleitoral é pouco discutida ainda, mas esse calendário é decisivo. O prejuízo nesta fase de pré-campanha é inegável, devido às medidas de contenção do coronavírus, pois o poder de mobilização está prejudicado.

Em Minas Gerais, o pré-candidato a prefeitura de Belo Horizonte, deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG), afirma que muitos que têm a intenção de disputar vaga nas câmaras estão sendo prejudicados. A janela partidária para vereadores trocarem de sigla termina dia 4 de abril. Quem precisa mudar domicílio eleitoral, segundo ele, não consegue porque o funcionamento dos cartórios eleitorais está afetado.

Delgado lembra ainda que o setor de registro da Justiça Eleitoral está parado, e muitos partidos com irregularidades a serem sanadas não conseguem atendimento para a regularização, caso do PSB de Montes Claros (MG), município de 400 mil habitantes.

— O calendário eleitoral já começou e está sendo comprometido. Eu teria encontros com várias pessoas que querem se candidatar a vereador, mas tive de mudar para videochamada devido ao isolamento. São contatos são muito importantes.