Papa anuncia que se vacinará na próxima semana e denuncia 'negacionismo suicida'

Extra com agências internacionais
·2 minuto de leitura

O papa Francisco anunciou que será vacinado contra a covid-19 "na próxima semana" e denunciou, em uma entrevista televisionada parcialmente transmitida neste sábado, dia 9, o "negacionismo suicida" daqueles que se opõem a este remédio contra a pandemia. A declaração veio após o anúncio de que o médico pessoal de Francisco, Fabrizio Soccorsi, morreu aos 78 anos por complicações ligadas à Covid-19. O profissional trabalhava com o Pontífice desde 2015.

— Na próxima semana começaremos (a vacinação), já tenho minha data — disse o Papa à rede Canale 5. — Temos que fazê-lo — insistiu o pontífice argentino, para quem "há um negacionismo suicida que não consigo explicar".

Segundo o portal "Vatican News", o médico lutava contra um câncer, por isso, estava internado no hospital Policlínico Gemelli, de Roma. No entanto, o falecimento foi causado por complicações ligadas ao coronavírus Sars-CoV-2.

— Acredito que do ponto de vista ético todos devem ser vacinados, porque você não só põe em risco a sua saúde, a sua vida, mas também a dos outros — ressaltou Francisco. — Quando eu era criança, lembro-me da epidemia de poliomielite, por causa da qual muitas crianças ficaram paralisadas e todo o mundo esperava ansiosamente pela vacina (...) Quando a vacina chegou, davam com açúcar. Aí a gente cresceu na sombra das vacinas, contra o sarampo, contra isso, contra aquilo ... vacinas que davam para crianças. Não sei por que alguns dizem 'não, a vacina é perigosa', mas se os médicos a apresentam como algo que pode ser bom, que não apresenta riscos particulares, por que não fazê-lo? — questionou o pontífice.

Soccorsi teve uma longa carreira médica e também como professor desde 1968, trabalhando tanto no atendimento do serviço público como em áreas de pesquisa e administração de diversas instituições da capital italiana.

Entre as universidades em que atuou, está a La Sapienza, uma das mais importantes do país. Conforme o portal católico, o médico tem uma longa carreira também na pesquisa, com mais de uma centena de estudos - próprios ou em colaboração - publicados. Antes de ser médico pessoal de Francisco, Soccorsi trabalhou como consultor da Direção de Saúde e Higiene do Governo de Estado da Cidade do Vaticano e como perito de consulta médica da Congregação da Causa dos Santos.