Papa defende liberdade de imprensa e presta homenagem a jornalistas mortos

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco prestou neste domingo homenagem aos jornalistas que morreram ou foram presos no cumprimento do ofício, defendendo a liberdade de imprensa e elogiando os meios de comunicação que reportam com coragem aquilo que ele chamou de "feridas da humanidade".Falando a milhares de pessoas na Praça de São Pedro em sua bênção semanal, o papa Francisco lembrou que o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa das Nações Unidas será celebrado na próxima terça-feira, dia 3."Presto homenagem aos jornalistas que pagaram em vida por esse direito", disse ele, citando estatísticas de que 47 jornalistas foram mortos e mais de 350 presos no ano passado.A Unesco, órgão da ONU que patrocina o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, disse no início deste ano que 55 jornalistas e trabalhadores da mídia foram mortos em 2021."Um agradecimento especial àqueles que, com coragem, nos mantêm informados sobre as feridas da humanidade", disse o papa.No mês passado, Francisco homenageou jornalistas mortos cobrindo a guerra entre Rússia e Ucrânia, dizendo esperar que Deus os recompense por servir ao bem comum.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos