Papa denuncia opressão histórica sobre indígenas canadenses

Papa Francisco se reúne com delegação indígena no Quebec

CIDADE DE QUEBEC (Reuters) - O papa Francisco disse a líderes indígenas em seu último dia de visita ao Canadá que estava pesaroso pelo fato de católicos terem apoiado “políticas opressivas e injustas” contra os nativos.

O papa de 85 anos se reuniu nesta sexta-feira com uma delegação indígena na residência do arcebispo do Quebec antes de partir para uma breve parada no território ártico de Nunavut, que o Canadá criou em 1999 para o povo Inuit.

“Eu vim como irmão para descobrir em primeira mão os bons e maus frutos que os membros da família católica local trouxeram ao longo dos anos”, disse Francisco.

“Eu vim em espírito de penitência, para expressar minha profunda dor pelo mal infligido a vocês por não poucos católicos que apoiaram políticas opressivas e injustas sobre vocês.”

Ele se referia às escolas residenciais, onde mais de 150 mil crianças indígenas foram separadas de suas famílias e trazidas entre 1870 e 1996. Grupos religiosos, a maioria católicos, administravam as escolas para que os governos da época implementassem uma política de assimilação cultural.

As crianças passaram fome ou foram espancadas por falarem suas línguas nativas e muitas foram abusadas sexualmente em um sistema que a Comissão da Verdade e Reconciliação do Canadá chamou de "genocídio cultural".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos