Papa encerra viagem ao Canadá no Ártico

O Papa Francisco chegou nesta sexta-feira a Nunavut, no Ártico canadense, escala final de sua viagem para pedir perdão pelos abusos contra crianças indígenas ocorridos em internatos da Igreja Católica.

O pontífice, 85, viajou ao vasto território da capital de Nunavut, Iqaluit, que significa "lugar de muitos peixes". Ali, reuniu-se pela primeira vez com sobreviventes de internatos que abrigavam crianças indígenas retiradas de seus pais e obrigadas a abandonar seu idioma e cultura nativos.

Os moradores de Iqaluit, onde pequenas casas se alinham na costa rochosa do oceano, ouviram atentamente as palavras do Papa. "Ele tomou a iniciativa de vir a Nunavut e se desculpar, acho que isso é uma grande coisa", disse à AFP Evie Kunuk, 47, que vivie em Iqaluit, comunidade de pouco mais de 7 mil habitantes. "Esta visita é importante para Iqaluit, porque muitas pessoas daqui foram para os internatos."

"Esta visita está criando um rebuliço", comentou Steve Philippe, 52, morador de Quebec, que viajou até Iqaluit para ver o pontífice e estava entre a multidão que aguardava a sua aparição. A recepção foi "um pouco morna. Talvez as expectativas fossem muito altas, mas acredito que seja um passo na direção correta."

- 'Deveriam estar fazendo mais' -

Desde o fim do século XIX até a década de 1990, o governo do Canadá enviou de maneira forçada cerca de 150 mil crianças indígenas a internatos sob responsabilidade da Igreja Católica. Muitas sofreram abusos físicos e sexuais e acredita-se que milhares morreram de desnutrição, doenças, maus tratos e negligência.

Ao iniciar sua visita ao Canadá na última segunda-feira, o Papa pediu publicamente desculpas pelos abusos. Muitos sobreviventes disseram que esse pedido de perdão foi alentador, mas para outros foi apenas o começo de um processo de cura e reconciliação.

"Deveriam estar fazendo mais com orientação, centros de bem-estar, de recuperação", disse a moradora de Iqaluit, Israel Mablick, de 43 anos e sobrevivente de uma dessas escolas.

Outros afirmaram que o Papa não mencionou expressamente os abusos sexuais contra crianças das Primeiras Nações, inuits e métis e em Iqaluit vários advertiram o mesmo.

Francisco não "reconheceu o papel institucional da Igreja Católica Romana na proteção dos abusadores", disse Kilikvak Kabloona, diretora de uma organização inuit em Nunavut.

"Essa proteção permite que cresça a violência sexual e esperamos uma desculpa pelos abusos sexuais", disse.

Espera-se também que seja solicitado ao papa que se ocupe do caso do sacerdote fugitivo francês Johannes Rivoire, de 93 anos, acusado de abusar de crianças inuits em Nunavut, antes de ir para a França.

Este ano, a polícia do Canadá emitiu uma nova ordem de prisão contra ele e uma delegação da comunidade inuit pediu a Francisco que intervenha. "O Papa é o líder da Igreja Católica e pode pedir que Rivoire responda às acusações", disse Kasbloona.

O líder espiritual de 1,3 bilhões de fiéis começou na segunda-feira sua viagem de seis dias no oeste do Canadá, locomovendo-se principalmente de cadeira de rodas, devido a problemas em seu joelho direito.

No começo desta sexta-feira, o Papa discursou na cidade de Quebec para uma delegação de povos indígenas, a quem disse que voltaria "para casa muito enriquecido". "Também me sinto parte de vossa família."

ast-tib/st/to/gm/ll/jc/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos