Papa envia condolências às Mães da Praça de Maio por morte de líder histórica

O papa Francisco enviou suas condolências às Mães da Praça de Maio pela morte de sua presidente, Hebe de Bonafini, a quem definiu como uma mulher corajosa e incansável na busca por memória, verdade e justiça.

Em uma carta cujo conteúdo foi revelado nesta segunda-feira (21) pela organização humanitária, o pontífice com quem Bonafini teve diferenças públicas a homenageou após sua morte no domingo, aos 93 anos.

"Neste momento de dor pela morte de Hebe de Bonafini, mãe da praça, quero estar perto de vocês e de todas as pessoas que choram por sua partida", escreveu o papa.

Ela "soube transformar sua vida, assim como vocês, marcada pela dor de seus filhos e filhas desaparecidas, em uma busca incansável pela defesa dos direitos dos mais marginalizados e invisibilizados", acrescentou Francisco.

A busca por seus filhos desparecidos durante a ditadura (1976-1983) "a levou a marchar todas as semanas para que o esquecimento não se apoderasse das ruas e da história, e o compromisso com o outro fosse a melhor palavra e antídoto contra as atrocidades que sofreram", escreveu.

"Lembro-me, no encontro que tivemos no Vaticano, da paixão que ela me transmitia por querer dar voz aos que não tinham. Sua valentia e coragem, em momentos nos quais imperava o silêncio, impulsionou e depois manteve viva a busca por verdade, memória e justiça", assinalou.

O papa recebeu Bonafini no Vaticano em 2016, em uma audiência de mais de duas horas após a qual a líder declarou que tinham resolvido suas diferenças, centradas em suas críticas à hierarquia católica, que acusou de cumplicidade com a ditadura quando o atual pontífice era arcebispo de Buenos Aires.

Na sexta-feira, Bonafini recebeu no hospital a visita do arcebispo de La Plata, Víctor Fernández, revelou o religioso no Twitter.

"Eu a achei muito bem-preparada. 'Estou pronta', me disse com um sorriso. Dei-lhe os cumprimentos de Francisco. Ela dizia que voltou à fé depois de se reconciliar com ele", escreveu.

No domingo, o governo argentino decretou três dias de luto oficial.

A organização humanitária marcou para a próxima quinta-feira um evento de despedida a Bonafini na tradicional volta à Pirâmide de Maio e anunciou que, "a pedido da própria Hebe, suas cinzas descansarão na Praça de Maio".

sa/gm/rpr/mvv