Papa Francisco está decidido a visitar o Iraque em março

·2 minuto de leitura
O Papa Francisco segura o Livro Sagrado de Orações enquanto celebra a Missa pela Epifania em 6 de janeiro de 2021 na Basílica de São Pedro no Vaticano. O sumo pontífice deverá, em sua visita ao Iraque em março, realizar missas em Bagdá e no Curdistão Iraquiano.

O papa Francisco garantiu que está decidido a viajar no início de março ao Iraque, como "pastor das pessoas que sofrem", em declarações dadas nesta segunda-feira (1) para a agência norte-americana Catholic News Service.

Caso as autoridades tentem impor aos iraquianos que acompanhem sua visita pela televisão devido à pandemia de covid-19, o papa acredita que de qualquer maneira eles poderão "ver que o pontífice está em suas terras".

Francisco, de 84 anos, reconheceu, porém, que a viagem poderia ficar em dúvida caso haja um novo surto de covid-19 no país.

O Iraque tem atualmente menos de 10 mortes e centenas de contagiados diariamente, diante dos milhares há alguns meses.

"Sou o pastor das pessoas que sofrem", lembrou Francisco.

O pontífice argentino, que costuma viajar em avião fretado, garantiu que está disposto a viajar inclusive em uma linha aérea comercial.

Francisco anunciou a viagem ao Iraque, que será de 5 até 8 de março, em dezembro de 2020. Esta será seu primeiro giro internacional desde o início da pandemia, além de uma visita história a um dos países mais afetados por guerras e pela covid-19.

O portal do Vaticano recordou recentemente que João Paulo II tinha programado uma visita ao Iraque, à Planície de Ur dos Caldeus, no final de 1999, mas que a mesma foi suspensa após três meses de negociações a pedido de Saddam Hussein.

O líder da Igreja Católica condenou recentemente o atentado suicida de 21 de janeiro em um mercado no centro de Bagdá, o ataque mais fatal em mais de três anos na capital iraquiana.

Segundo um programa não oficial divulgado pela Igreja iraquiana, Francisco celebrará varias missas, entre elas uma na catedral de Bagdá, palco de um sangrento ataque em 2010, e outra no estádio de Erbil, a capital do Curdistão iraquiano (norte).

Durante sua visita, Francisco deverá participar de uma oração inter-religiosa em Ur (sul), lugar de nascimento de Abraão, em companhia de lideranças xiitas, sunitas, yazidis e sabeístas.

Segundo o programa não oficial, ele se reunirá com o grande aiatolá Ali Sistani, a máxima autoridade muçulmana xiita do Iraque, em Najaf, ao sul de Bagdá, anunciou na semana passada o cardeal Louis Raphaël Sako, patriarca da Igreja Católica Caldeia desse país.

cm/kv/mb/gf/mvv