Papa Francisco pede perdão a indígenas do Canadá

O Papa Francisco emitiu um pedido de desculpas histórico, em nome da Igreja Católica, aos povos indígenas do Canadá, esta segunda-feira.

Perante dezenas de sobreviventes dos colégios internos governamentais, na província de

Alberta, o Sumo Pontífice lamentou a participação de missionários e membros do clero na política de assimilação forçada dos Governos até aos anos 70 do século XX, que classificou de "catastrófica".

“Desculpem. Peço perdão em particular pela forma como muitos membros da igreja e das comunidades religiosas cooperaram, nomeadamente através da indiferença, nos projetos de destruição cultural e assimilação forçada promovidos pelos Governos da época, que culminaram no sistema de colégios internos", sublinhou Francisco.

O chefe Willie Littlechild, da nação Cree, agradeceu ao Papa por ouvir os testemunhos e pelas palavras de conforto.

"Durante o nosso tempo que estivemos juntos ficou claro para todos nós que escutastes profundamente e com grande compaixão os testemunhos que contavam a forma como as nossas línguas eram suprimidas, a nossa cultura nos era tirada e a nossa espiritualidade denegrida", disse.

Segundo a Comissão de Verdade e Reconciliação do Canadá, mais de 150.000 crianças indígenas foram forçadas a frequentar os colégios internos católicos desde o final do século XIX até aos anos 70 do século passado. O caso está a ser tratado como um "genocídio cultural". Estima-se que mais de 6.000 crianças tenham morrido dentro dos muros destas escolas, vítimas de maus-tratos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos