Papa insiste que o aborto equivale a recorrer a um assassino de aluguel

Papa Francisco em 25 de maio de 2019

O papa Francisco disse neste sábado que a proibição do aborto era uma questão humana, não religiosa, e reafirmou que era equivalente a recorrer a um assassino de aluguel.

"É justo eliminar uma vida humana para resolver um problema? É justo contratar um assassino para resolver um problema?", declarou o papa. "Não falem de religião quando se trata de uma questão humana", acrescentou.

O pontífice argentino falou diante dos participantes de um colóquio sobre o combate ao aborto terapêutico, proposto nos casos em que os diagnósticos pré-natais revelam graves malformações.

"Nenhum ser humano pode ser considerado incompatível com a vida", insistiu o papa.

Neste caso, o cuidado não é uma despesa, mas uma ajuda aos "pais para preparar sua dor e percebê-la não apenas como uma perda, mas como uma etapa [...] Essa criança vai permanecer em suas vidas para sempre", insistiu.

Para o papa, em vez de propor o aborto terapêutico, é preciso criar "redes de amor" para evitar que o medo da doença e do sofrimento condene as famílias à solidão.

Em outubro de 2018, o papa Francisco já havia comparado o aborto ao recurso a um matador, declarações que provocaram fortes reações.