Papa, Lula, Maduro e líderes sul-americanos repudiam ataque a Cristina

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Diversas figuras políticas sul-americanas se pronunciaram sobre a tentativa de disparo contra a vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, na noite desta quinta (1º). O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro (PL), não tinha se manifestado sobre o tema nas redes sociais até a última atualização desta reportagem, ainda que tenha tuitado sobre outros assuntos.

A política chegava em sua casa no bairro da Recoleta, em Buenos Aires, quando um homem identificado como o brasileiro Fernando Sabag Montiel, 35, aparentemente tentou disparar contra ela. Imagens publicadas nas redes sociais mostram o momento de diversos ângulos.

Leia abaixo a repercussão.

MAURÍCIO MACRI, EX-PRESIDENTE DA ARGENTINA

Meu repúdio absoluto ao ataque sofrido por Cristina Kirchner, que felizmente não teve consequências para a vice-presidente. Esse gravíssimo incidente exige um esclarecimento imediato e profundo por parte da Justiça e das forças de segurança.

NICOLÁS MADURO, DITADOR DA VENEZUELA

Enviamos nossa solidariedade à vice-presidente ante o atentado contra a sua vida. Repudiamos energeticamente essa ação que busca desestabilizar a paz do povo argentino, nosso irmão. A Pátria Grande está com você, companheira!

GABRIEL BORIC, PRESIDENTE DO CHILE

A tentativa de assassinato da vice-presidente argentina, Cristina Fernández, merece o repúdio e a condenação de todo o continente. Minha solidariedade a ela, ao governo e ao povo argentino. O caminho sempre será o debate de ideias e o diálogo, nunca as armas nem a violência.

LUIS ALBERTO ARCE, PRESIDENTE DA BOLÍVIA

Repudiamos enfaticamente o atentado contra a vida da irmã Cristina Kirchner, vice-presidente da Argentina. Do Estado plurinacional da Bolívia, enviamos todo o nosso apoio a ela, sua família, ao governo e o povo argentino.

MIGUEL DÍAZ-CANEL, LÍDER DO REGIME DE CUBA

De Cuba, consternados com a tentativa de assassinato de Cristina Kirchner, enviamos toda a nossa solidariedade à vice-presidente, ao governo e ao povo argentinos.

PEDRO CASTILLO, PRESIDENTE DO PERU

Toda minha solidariedade com a vice-presidente Cristina Kirchner e com o povo argentino. O governo peruano condena o atentado ocorrido contra sua vida. Repudiamos todo ato de violência.

EVO MORALES, EX-PRESIDENTE DA BOLÍVIA

Condenamos a covarde tentativa de assassinato contra nossa irmã Cristina Kirchner. Toda a nossa solidariedade à vice-presidente. A Pátria Grande está com você, irmã. A direita criminosa e servil ao imperialismo não passará. O povo livre e digno da Argentina o derrotará.

LULA, EX-PRESIDENTE DO BRASIL E ATUAL CANDIDATO AO CARGO PELO PT

Toda a minha solidariedade à companheira Cristina Kirchner, vítima de um fascista criminoso que não sabe respeitar divergências e a diversidade. A Cristina é uma mulher que merece o respeito de qualquer democrata no mundo. Graças a Deus ela escapou ilesa. [...] Que o autor sofra todas as consequências legais. Esta violência e ódio politico que vêm sendo estimulados por alguns é uma ameaça à democracia na nossa região. Os democratas do mundo não tolerarão qualquer violência nas divergências políticas.

JOSÉ MAYANS, SENADOR ARGENTINO

Nos reunimos, os senadores e os deputados, para expressar nosso repúdio. É um fato lamentável, e esperamos o pronto esclarecimento desse fato. Trabalhamos pela paz na Argentina. Não mataram a vice-presidente por graça de Deus. É uma pessoa de grande espírito que não esperava que acontecesse algo assim em frente de sua casa.

GERARDO MORALES, GOVERNADOR DA PROVÍNCIA ARGENTINA DE JUJUY

Este é um momento difícil do país, muita gente está passando por dificuldades econômicas, mas sabemos que a violência nunca é a saída. Somamos nosso repúdio.

SERGIO MASSA, MINISTRO DA ECONOMIA DA ARGENTINA

Quando o ódio e a violência se impõem sobre o debate de ideias, as sociedades são destruídas e geram-se situações como a de hoje: uma tentativa de magnicídio. Toda minha solidariedade a Cristina Kirchner e sua família.

CARLOS FRANÇA, MINISTRO DE RELAÇÕES EXTERIORES

Creio ser um ato injustificável, que merece rigorosa apuração. E, claro, repudiamos intolerância política, de que o presidente da República também foi vitima em 2018 (em entrevista ao jornal O Globo)

RODRIGO PACHECO, PRESIDENTE DO SENADO FILIADO AO PSD

O que vimos ontem, além de uma violência contra uma mulher, contra uma mulher idosa, além da violência humana, há também uma violência política muito significativa e que nós devemos repudiar

SIMONE TEBET, SENADORA E CANDIDATA A PRESIDENTE PELO MDB

Violência política no Brasil, violência política na Argentina. É preciso dar um basta a tudo isso. As lideranças devem recriminar essas atitudes. Ainda bem que a arma falhou. Que tristeza! Reafirmo minha posição pela paz na política, pela paz nas eleições.

GLEISI HOFFMAN, DEPUTADA FEDERAL E PRESIDENTE DO PT

Muito grave o que aconteceu com a companheira Cristina Kirchner, vítima de uma tentativa de homicídio. A imagem choca. Isso é resultado da violência política e do discurso de ódio. Força!

PAPA FRANCISCO

Tendo recebido a preocupante notícia do atentado, desejo expressar minha solidariedade e proximidade neste momento delicado.

MARCELO EBRARD, CHANCELER DO MÉXICO

O governo do México expressa sua rejeição e condenação ao atentado contra a vice-presidente da Argentina, Cristina Fernández. A mais completa solidariedade do México a Cristina Fernández e ao governo da República Argentina.

LUIS LACALLE POU, PRESIDENTE DO URUGUAI

A violência nunca pode ser tolerada em nenhuma circunstância. Minha solidariedade à senhora Cristina Fernández e a todo o povo argentino diante do atentado.

MARIO ABDO BENÍTEZ, PRESIDENTE DO PARAGUAI

Nos solidarizamos com a República Argentina diante da tentativa de assassinato sofrida por sua vice-presidente. Juntamo-nos a todas as vozes que repudiam a violência e exigem justiça.

GUILLERMO LASSO, PRESIDENTE DO EQUADOR

Condeno os fatos registrados contra a vice-presidente Cristina Fernández e envio a solidariedade do Equador ao governo argentino. Acreditamos na democracia e na paz. Rejeitamos o ódio e a violência.