Papa não realizará as principais liturgias de final do ano por "dor ciática"

·1 minuto de leitura
Uma fotografia divulgada pela assessoria de imprensa do Vaticano em 30 de dezembro de 2020 mostra o Papa Francisco realizando uma audiência privada semanal ao vivo na biblioteca do palácio apostólico

O Papa Francisco, afetado por uma "dor ciática", não poderá presidir as celebrações litúrgicas programadas para a noite desta quinta-feira(31) e manhã de sexta-feira na Basílica de São Pedro em Roma, anunciou o Vaticano.

“Devido a uma dor ciática, as celebrações desta tarde e amanhã de manhã (...) não serão presididas pelo Santo Padre”, anunciou Matteo Bruni, diretor da sala de imprensa da Santa Sé, em um comunicado.

"As Primeiras Vésperas e o Te Deum hoje à noite serão presididos pelo Cardeal Giovanni Battista Re, decano do Colégio Cardinalício, enquanto a Santa Missa em 1º de janeiro de 2021 será presidida pelo Cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado", disse ele.

Em todo o caso, na sexta-feira, dia 1, "o Papa Francisco conduzirá a oração do Angelus da biblioteca do Palácio Apostólico, conforme previsto", concluiu.

Pouco antes do Natal, dois cardeais que fazem parte do círculo próximo do papa, um polonês e um italiano, contraíram covid-19, novamente levantando dúvidas sobre a proteção do papa de 84 anos que raramente usa máscara.

Embora os encontros oficiais do Papa com altos funcionários da Santa Sé sejam comunicados diariamente, Francisco também tem muitos encontros privados na residência do hotel Santa Marta, onde vive.

Durante o primeiro confinamento na Itália, Francisco ficava isolado em sua biblioteca aos domingos para a oração do Angelus, mas depois aparecia com frequência, mas brevemente, em uma janela para saudar uma praça de São Pedro quase vazia.

O papa é considerado uma pessoa de risco, pois aos 21 anos, em 1957, Jorge Bergoglio sofreu pleurisia aguda e os cirurgiões tiveram que retirar parcialmente o pulmão direito, detalha o seu biógrafo Austen Ivereigh.

O Vaticano ainda não indicou quando o Papa poderá ser vacinado contra o covid-19.

glr/ia/msr/me/jc