Papa pede a Deus que "se apresse" para acabar com guerra na Ucrânia e condena ataques com mísseis

Papa Francisco com bandeira da Ucrânia

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco condenou nesta quarta-feira a mais recente onda de ataques com mísseis contra a Ucrânia, pedindo um cessar-fogo para evitar o risco de escalada do conflito e pedindo a Deus que "se apresse" para acabar com a guerra.

Ele falou em sua audiência geral na Praça de São Pedro enquanto aliados da Otan investigavam relatos de uma explosão em um vilarejo polonês perto da fronteira com a Ucrânia. Ele não mencionou o incidente.

"Fiquei sabendo com dor e preocupação sobre um novo e ainda mais violento ataque de mísseis contra a Ucrânia, que causou mortes e danos a muitas infraestruturas civis", disse Francisco em italiano.

"Rezemos para que o Senhor converta os corações daqueles que ainda apostam na guerra e faça prevalecer o desejo de paz na martirizada Ucrânia, a fim de evitar a escalada e abrir o caminho para um cessar-fogo e diálogo", disse ele.

Alguns minutos depois, em outros comentários sobre a Ucrânia, ele acrescentou: "Podemos orar pela Ucrânia dizendo, se quiserem, 'Apresse-se, Senhor'".

A Rússia lançou 110 mísseis e 10 drones de ataque de fabricação iraniana contra a Ucrânia na terça-feira, informou o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que o principal alvo da enxurrada de mísseis era a infraestrutura de energia, como antes, embora tenha acrescentado que apenas 10 alvos planejados foram atingidos.

No mês passado, Francisco, pela primeira vez, implorou diretamente ao presidente russo, Vladimir Putin, para interromper a "espiral de violência e morte" na Ucrânia.

(Reportagem de Philip Pullella)