Papa pede fraternidade: 'Ou somos irmãos, ou nos destruímos mutuamente'

·1 minuto de leitura
O papa Francisco defendeu a fraternidade em sua mensagem de Natal

O papa Francisco lançou, nesta quinta-feira (4), uma mensagem ao mundo a favor da fraternidade, alertando que é a nova fronteira da humanidade: "Ou somos irmãos, ou nos destruímos mutuamente", disse.

A mensagem do pontífice argentino foi divulgada no Dia Internacional da Fraternidade Humana celebrado nesta quinta-feira, e que foi criado há dois anos após a assinatura com o líder muçulmano, o Grande Imã de al-Azhar Ahmed, do documento sobre a "Fraternidade Humana para a Paz Mundial e a Coexistência Comum".

"Hoje a fraternidade é a nova fronteira da humanidade. Ou somos irmãos, ou nos destruímos mutuamente", alertou o pontífice argentino durante a reunião celebrada virtualmente e falando em espanhol.

"Hoje não há tempo para a indiferença. Não podemos lavar as mãos. Com a distância, com o desprezo. Ou somos irmãos — permita-me —, ou tudo desmorona", acrescentou.

"Essa é a fronteira sobre a qual temos que construir; é o desafio do nosso século, é o desafio de nossos tempos", reconheceu.

No encontro virtual, organizado pelo xeique Mohammed Bin Zayed em um elegante museu dos Emirados Árabes Unidos, participou o dignatário sunita, assim como o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, e Latifah Ibn Ziaten, fundadora da Associação Imad para a juventude e paz, vencedores do prêmio Zayed 2021 para a Fraternidade Humana.

Durante a celebração, destinada a promover o diálogo interreligioso e intercultural, o papa lembrou que "não é preciso uma guerra para fazer inimigos. Basta com o desprezo. Basta com essa técnica — porque se transformou em técnica —, essa atitude de olhar para o outro lado, ignorando o outro, como se não existisse", enfatizou.

"Porque o desprezo é uma forma muito sutil de inimizade", resumiu.

kv/mar/aa