Papa pede que Hungria seja mais aberta a imigrantes necessitados

·2 minuto de leitura

Por Philip Pullella e Gergely Szakacs

BUDAPESTE (Reuters) - O papa Francisco disse neste domingo que a Hungria poderia preservar suas raízes cristãs e ao mesmo tempo se abrir para os necessitados, uma aparente resposta à posição do primeiro-ministro nacionalista Viktor Orbán de que a imigração muçulmana poderia destruir seu patrimônio.

Francisco esteve na Hungria para uma visita extraordinariamente curta que destacou as diferenças com o anti-imigrante Orbán.

Encerrando um congresso da Igreja com uma missa para dezenas de milhares de pessoas no centro de Budapeste, Francisco usou a imagem de uma cruz para mostrar que algo tão profundamente enraizado como a fé religiosa não excluía uma atitude acolhedora.

"A cruz, plantada no solo, não só nos convida a estar bem enraizados, mas também levanta e estende os braços a todos", disse no seu discurso após a missa.

"A cruz nos incita a manter nossas raízes firmes, mas sem defensivas; a beber nas fontes, abrindo-nos à sede dos homens e mulheres de nosso tempo", disse ele no final da missa ao ar livre, que Orbán compareceu com sua esposa.

"Meu desejo é que você seja assim: fundamentado e aberto, enraizado e atencioso ", disse o papa.

Francisco muitas vezes denunciou o que vê como um ressurgimento de movimentos nacionalistas e populistas, apelou à unidade europeia e criticou os países que tentam resolver a crise migratória com ações unilaterais ou isolacionistas.

Orbán, por outro lado, disse ao Fórum Estratégico de Bled, na Eslovênia, na semana passada, que a única solução para a migração era a União Europeia "devolver todos os direitos ao Estado-nação".

O papa pediu que os imigrantes fossem recebidos e integrados para enfrentar o que ele chamou de "inverno demográfico" da Europa. Orbán disse na Eslovênia que os migrantes de hoje "são todos muçulmanos" e que apenas "a política familiar cristã tradicional pode nos ajudar a sair dessa crise demográfica".

Francisco, de 84 anos, passou apenas cerca de sete horas em Budapeste, conheceu Orbán e o presidente Janos Ader no início de sua visita.

O Vaticano disse que a reunião, que também contou com a presença dos dois principais diplomatas do Vaticano e um cardeal húngaro, durou cerca de 40 minutos e foi cordial.

"Pedi ao Papa Francisco que não deixasse a Hungria cristã perecer", disse Orbán no Facebook. A agência de notícias húngara MTI disse que Orbán deu a Francisco um fac-símile de uma carta que o rei Bela IV do século 13 enviou ao papa Inocêncio IV pedindo ajuda na luta contra os tártaros.

Mais tarde no domingo, Francisco chegou à Eslováquia, onde ficará por muito mais tempo, visitando quatro cidades antes de retornar a Roma na quarta-feira.

A viagem é a primeira do papa desde que passou por uma grande cirurgia em julho. Francisco disse aos repórteres no avião que o levava para Budapeste que estava "se sentindo bem".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos