Papa reza por todos os que estão desempregados devido ao coronavírus

Foto tirada em 10 de maio de 2020 pela imprensa do Vaticano, mostra o papa Francisco observando da janela a Praça de São Pedro vazia

O papa Francisco manifestou nesta segunda-feira (11) sua preocupação pelas milhões de pessoas em todo o mundo que vivem da economia informal e ficaram sem trabalho pelas medidas contra o coronavírus.

"Nestes tempos, tantas pessoas perderam o trabalho...", lamentou o papa ao iniciar a tradicional missa matutina na capela de sua residência no Vaticano.

"Muitos deles trabalhavam de forma informal. Oremos por estes nossos irmãos e irmãs que sofrem pela falta de trabalho", pediu Francisco.

O papa argentino, extremamente sensível aos problemas sociais, costuma pedir e orar quase todos os dias pelas vítimas diretas e indiretas do coronavírus e envia inclusive ajuda econômica aos setores mais frágeis da sociedade, tanto na Itália quanto em outros países afetados pela pandemia.

No início de maio, o esmoleiro do papa Francisco, o cardeal Konrad Krajewski, doou dinheiro a um grupo de transexuais, a maioria latino-americanos, que se dedicam à prostituição em Roma e que, ao ficarem sem clientes, pediram ajuda ao pároco de Torvaianica, uma localidade marítima nos arredores da capital.

Os transexuais gravaram um áudio em espanhol para agradecer o pontífice pela sua ajuda.

Francisco, que quando era um simples religioso na Argentina costumava visitar os presos e pobres dos bairros marginais, quis manter essa relação desde que foi eleito pontífice em 2013.

Recentemente, enviou uma carta aos movimentos populares do mundo na qual reconhece que chegou a hora de "um salário universal" diante do aumento da diferença entre pobres e ricos.

No domingo, pediu aos líderes da União Europeia (UE) que enfrentem o impacto social e econômico desencadeado pela pandemia de coronavírus.