Papa compara Ucrânia a Ruanda e se diz disposto a encontrar Putin

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Papa Francisco (E) chega para liderar uma audiência com os peregrinos da Eslováquia no salão Paulo VI na cidade do Vaticano em 30 de abril de 2022 (AFP/Vincenzo PINTO) (Vincenzo PINTO)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O papa Francisco assegurou que está disposto a viajar para Moscou e se reunir com o presidente russo, Vladimir Putin, na tentativa de parar a guerra na Ucrânia, que comparou com a de Ruanda, na África.

"Tenho que ir a Moscou primeiro, tenho que me encontrar com Putin primeiro", disse o papa argentino ao jornal italiano Il Corriere della Sera em entrevista publicada nesta terça-feira (3).

"Como é possível que não se detenha tanta brutalidade? Há vinte e cinco anos, com Ruanda, vivemos a mesma experiência", afirmou o papa, referindo-se ao genocídio de Ruanda, em 1994, onde ocorreu a tentativa de extermínio da população tutsi por parte do governo hegemônico Hutu, em que 800 mil pessoas morreram, segundo números da ONU.

Francisco recordou que no "primeiro dia da guerra" falou por telefone com o presidente ucraniano Volodimir Zelensky e repetiu várias vezes durante a entrevista que estava visando ir para Moscou.

"Em dezembrou falei com ele (Putin) em meu aniversário, mas desta vez não o chamei. Quis fazer um gesto claro que todo o mundo pudesse ver e por isso me dirigi ao embaixador russo. E pedi que me explicasse, lhes disse que parem por favor. Depois pedi ao cardeal (Pietro) Parolin, após vinte dias de guerra, que fizesse chegar uma mensagem a Putin de que estava disposto a ir em Moscou", afirmou.

"Entretanto, não temos recebido resposta e seguimos insistindo, mesmo que Putin não possa ou nem queira realizar esse encontro no momento", comentou.

Questionando as causas do conflito, o líder católico falou que a "ira" do Kremlin tinha sido "facilitada" pelos "latidos da Otan às portas da Rússia", declarações que não agradaram a Polônia.

"Muitos de nós levamos as mãos à cabeça ao ouvir o que o papa disse", reagiu o ministro polonês da Educação, Przemyslaw Czarnek, em declarações à TV estatal, afirmando que as declarações tinham "ofendido" os poloneses.

O papa também refletiu sobre o fornecimento de armas por parte do ocidente para a resistência ucraniana, uma questão que divide opiniões no mundo católico.

"Não responderei à pergunta de se é correto abastecer os ucranianos, mas o que está claro nessa terra é que estão testando as armas. Os russos agora sabem que os tanques são pouco úteis e estão pensando em outras coisas. As guerras servem para isso: para testar as armas que fabricamos", afirmou.

bur-kv/mb/gf/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos