Papa suplica que Putin encerre "espiral de violência e morte", teme guerra nuclear

FOTO DE ARQUIVO: Papa Francisco

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - Pela primeira vez, o Papa Francisco implorou diretamente ao presidente russo, Vladimir Putin, pelo fim do “espiral de violência e morte” na Ucrânia, dizendo neste domingo que a crise arriscava piorar a ponto de se tornar um conflito nuclear, com consequências globais incontroláveis.

Em um discurso dedicado à Ucrânia feito para milhares de pessoas na praça São Pedro, Francisco também condenou a mais recente anexação de partes da Ucrânia por Putin como sendo contra as leis internacionais. Ele pediu que Putin pense no seu próprio povo, caso a situação piore.

Foi a primeira vez que Francisco --que frequentemente condena a invasão da Rússia à Ucrânia e a morte e destruição que ela causou-- fez um apelo pessoal tão direto a Putin.

Dizendo que estava assombrado pelos “rios de sangue e lágrimas derramados nos últimos meses”, Francisco também pediu que o presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, esteja aberto para qualquer “proposta séria de paz”.

Ele estava fez um apelo urgente “em nome de Deus” pelo fim do conflito e disse que era “absurdo” que o mundo corresse o risco de um conflito nuclear.

“O meu apelo se dirige, em primeiro lugar, ao presidente da Federação Russa, suplicando-lhe de parar, também pelo amor do seu povo, esta espiral de violência e de morte”, disse Francisco.

“Entristecido com o imenso sofrimento do povo ucraniano após a agressão sofrida, dirijo um apelo igualmente confiante ao presidente da Ucrânia para estar aberto a sérias propostas de paz”, disse.

Francisco posteriormente tuitou os dois apelos aos líderes de Rússia e Ucrânia.

(Reportagem de Philip Pullella)