Papai Noel troca o trenó pelas videochamadas

Bob Chiarito
·2 minuto de leitura
Andre Russel, vestido de Papai Noel, faz uma videoconferência com uma criança da sua casa em Chicago, em 17 de dezembro de 2020

Para as crianças americanas, as tradicionais visitas ao Papai Noel não podem acontecer este ano, como de costume, devido à pandemia. Assim, para proteger aqueles que, em geral homens mais velhos, vestem-se como o bom velhinho, os encontros têm acontecido por videochamadas.

"Não levo a pandemia na brincadeira", disse Joe Harkins, um Papai Noel de 87 anos de Nova Jersey. "Não vou arriscar minha vida por um evento público, ou familiar. É muito perigoso", acrescenta.

Como muitos de seus colegas profissionais, Harkins escolheu fazer seu trabalho virtualmente.

O octogenário chegou a criar sua própria empresa, a "Santa Encounters" (Encontros com o Papai Noel), que permite gravar vídeos personalizados para crianças.

"Por definição, a maioria do Papais Noéis está na categoria de risco (para covid-19), seja por causa de sua idade, ou por causa dos seus antecedentes médicos", explica Ric Erwin, o presidente da Ordem Fraternal dos Verdadeiros Papais Noéis Barbudos, que mora na Califórnia.

"Isso é ainda mais problemático porque nossa clientela são crianças pequenas, que são vetores conhecidos de tudo que é infeccioso", acrescenta.

Para John Sullivan, um Papai Noel de 81 anos do estado de Illinois, as visitas são feitas apenas de forma virtual. Pela primeira vez em seus 30 anos de carreira, ele não verá uma criança sequer pessoalmente.

O lado positivo dessa mudança é a possibilidade de conversar com os pais antes da reunião e obter informações sobre os filhos com antecedência.

"Eu descubro o nome deles, de seus irmãos e irmãs, o que eles querem, o nome do seu animal de estimação, etc. Então, quando eu começo a falar com as crianças, elas pensam: 'esse Papai Noel sabe tudo sobre mim'", acrescenta Sullivan.

No entanto, a pandemia não fez o Papai Noel desaparecer totalmente dos centros comerciais. A empresa Cherry Hill Programs, que gerencia as visitas aos Papais Noéis em mais de 700 locais nos Estados Unidos, transformou os encontros para que aconteçam sem contato.

As normas incluem o uso obrigatório de máscaras; reservas obrigatórias para evitar filas de espera; testes diários para o Papai Noel e seus ajudantes e, principalmente, para crianças; e nada de pedidos ao pé do ouvido apoiados sobre os joelhos do velho.

Em vez disso, o Papai Noel usa uma viseira de plástico para a proteção, senta-se em um trono atrás de uma barreira de acrílico e as crianças se acomodam em um banco a dois metros de distância para tirar uma foto.

Muitos Papais Noéis consideram, porém, mais sensato trabalhar de forma virtual.

A aparição sem máscara do Papai Noel e da Mamãe Noel em um desfile no estado da Geórgia, em 10 de dezembro, tornou-se o pesadelo de qualquer pai. Cerca de 50 crianças foram expostas ao coronavírus ao posar para uma foto com o casal, assintomático, mas com a covid-19, como confirmado por um teste dias depois.

bob/dw/rle/vgr/els/gma/yo/bn/tt