Papais Noéis comemoram volta presencial aos shoppings para o chamado 'Natal do abraço'

Há 15 anos, o aposentado Claudenir Carlos, de 69 anos, se transforma no Bom Velhinho sempre que chega dezembro. Em 2020, no auge da pandemia, pela primeira vez, sua roupa vermelha de Papai Noel não saiu do armário. Em 2021, uns poucos trabalhos apareceram e esse ano, sem as restrições impostas por questões sanitárias, a expectativa é de reencontro com as crianças para aquele que já vem sendo chamado de o "Natal do abraço".

Intercâmbio: Jovens colombianos vêm ao Rio conhecer o samba e dividir conhecimentos sobre a salsa em programa de intercâmbio cultural

Banca é dos livros: Antiga banca de jornais é transformada em biblioteca comunitária por morador e vira point de leitura em São Gonçalo

— Esse é um período de alegria e de muita magia, que não estávamos tendo. No ano passado voltou devagar e a expectativa para esse ano é de melhora — acredita o Papai Noel, que já está contratado para o Shopping Taquara Plaza, que será inaugurado em meados do mês.

Mário Sérgio dos Santos Roque, também de 69, só não ficou totalmente parado nos dois anos anteriores porque migrou para as redes sociais e aceitou alguns trabalho em que o distanciamento do público era regra fundamental. No ano passado, por exemplo, ficou isolado numa sala do Shopping Metropolitana, na Barra da Tijuca, que imitava um cenário de Polo Norte e os encontros com as crianças eram virtuais, marcadas por aplicativo.

Covid-19: nova variante e baixa procura por doses de reforço da vacina preocupam secretaria no Rio

— Esse ano vai ser o Natal do abraço. Vai ser aquele abraço de muita saudade do amor distante, sem máscara, sem restrições e com todo mundo vacinado — afirmou o Papai Noel, que se prepara para assumir neste fim de semana o trono no Plaza Shopping, em Niterói.

Dezembro é o mês que o administrador de empresas aposentado aproveita para reforçar as finanças fazendo o papel do bom velhinho. Em tempos normais, o faturamento chega a R$ 15 mil. Se der sorte de conseguir participar de campanha publicitária, o valor pode dobrar ou triplicar.

Caso Flordelis: Delegada diz que pastora não relatou agressões sexuais em depoimentos e que casamento 'era aberto'

Limachem Cherem, diretor da Escola de Papais Noéis do Brasil, que esse ano formou 42 Bons Velhinhos, também tem boas expectativas. Ele disse que os shoppings voltaram a contratar. Pelos menos 15 centros comerciais do Rio já reservaram o seu Papai Noel e a expectativa é que esse número dobre.

— Passamos por dois anos duros. Em 2020 praticamente não teve trabalho para os papais noéis. Em 2021 houve uma pequena retomada. Esse ano, a expectativa é de que seja bem melhor e que tenhamos o "Natal do abraço" — prevê.

Transportes: Grupo CCR quer definir até sexta se continua ou não à frente das barcas

Segundo Cherem, os grandes shoppings pagam entre R$ 10 mil a R$ 15 mil por 40 dias de trabalho, enquanto nos menores esse valor gira em torno de R$ 3 mil. O faturamento dos bons velhinhos vêm ainda de eventos corporativos, festas privadas e familiares. Como a maioria deles é aposentada, o Natal representa a oportunidade de afrouxar o cinto, passadas as festas.

Trato na barba

Nessa segunda-feira, um grupo de papais noéis esteve numa barbearia de Botafogo, na Zona Sul, para dar um trato na barba. Um dos requisitos para ingresso na Escola de Papais Noéis do Brasil é justamente ter barba natural.

Cherem contou que quando a escola começou, em 1993, a maioria dos papais noéis usava postiça, de nylon. Com o tempo ele percebeu que a natural, grisalha, passava mais confiança e credibilidade. A partir daí esse passou a ser um dos critérios exigidos.

— Essa passada no barbeiro é tradicional e ajuda o Papai Noel a ficar bem na foto — disse Cherem, que a partir de maio para de cortar a barba.