Colégios eleitorais abrem no extremo oriente russo para pleitos presidenciais

Moscou, 17 mar (EFE).- A abertura dos colégios eleitorais em Kamtchatka, Tchukotka e Magadan, as regiões mais orientais da Rússia, deram o tiro de largada para eleições presidenciais nas quais 110 milhões de russos estão convocados às urnas para escolher seu presidente para os próximos seis anos.

As urnas nessas regiões do extremo oriente russo abriram às 8h de domingo (horário local, 17h deste sábado em Brasília), nove horas antes que abram os colégios eleitorais em Moscou e no resto da parte central da Rússia.

Como em todo o país, os cidadãos poderão exercer o seu direito a voto até 20h, após o que será iniciada a apuração.

O extenso território da Rússia abrange 11 fusos horários, razão pela qual a jornada de votação terá durado 21 horas quando terminar no enclave de Kaliningrado, a parte mais ocidental do país, onde os colégios fecharão às 14h de Brasília deste domingo.

A votação será realizada em mais de 97.000 colégios na Rússia e outros 400 em 145 países de todo o planeta, embora os russos que vivem na Ucrânia não poderão exercer seu direito ao voto.

O governo desse país anunciou que não lhes permitirá entrar nas legações diplomáticas russas em seu território, já que considera a Rússia um "país agressor" e suas eleições presidenciais, "ilegais".

Onde haverá votação é na Criméia, que participará pela primeira vez em pleitos presidenciais russos e fará isso justamente no quarto aniversário da anexação da península ucraniana por Moscou.

Kiev advertiu aos cidadãos desse território - que considera ocupado e que não desistiu de recuperar - que aqueles que ajudem na promoção e organização do pleito serão perseguidos penalmente na Ucrânia.

Nesse sentido, o governo ucraniano já elaborou uma lista negra com os nomes dos crimeanos acusados destes "crimes" e pedirá à União Europeia que lhes sancione com a proibição de entrar no território comunitário.

Segundo todas as pesquisas, Putin ganhará com folga os pleitos e chegará perto de obter o apoio de 70% dos eleitores, um resultado histórico.

Em segundo lugar em intenções de voto aparece o candidato comunista, o milionário stalinista Pavel Grudinin, com 7%, seguido pelo veterano líder ultranacionalista, Vladimir Zhirinovski, com 6%. EFE

aep/rsd