Para 37%, Lula foi o melhor presidente, aponta Datafolha

*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 30.10.2022 - Lula, já presidente eleito, discursa na avenida Paulista, em frente ao Masp. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 30.10.2022 - Lula, já presidente eleito, discursa na avenida Paulista, em frente ao Masp. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Prestes a assumir pela terceira vez o Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é visto pela população como o melhor presidente que o Brasil já teve. Ele governou antes o país de 2003 a 2010.

É o que aponta nova pesquisa do Datafolha. Segundo o levantamento, feito em 19 e 20 deste mês, o petista é visto assim por 37% da população. É seguido pelo atual ocupante do cargo, Jair Bolsonaro (PL), por ele derrotado na eleição de outubro, com 23%.

Ao mesmo tempo, Bolsonaro é visto por 31% como o pior presidente da história, enquanto Lula figura com 20% e sua sucessora Dilma Rousseff (PT, 2011-16), com 13%. Fernando Collor de Mello (PRN, 1990-1992) aparece com 12%. Michel Temer (MDB, 2016-18), que assumiu após o impeachment da petista, vem a seguir com 3%, empatado com Fernando Henrique Cardoso (PSDB, 1995-2002, 3%) e José Sarney (MDB, 1985-1990, 2%).

Essas citações dos 2.026 entrevistados são espontâneas, sem a apresentação de uma lista de ex-presidentes, por exemplo. Assim, é natural que as figuras mais proeminentes da vida política se apresentem com destaque e que antigos ocupantes percam o brilho com o tempo.

Lula ponteia o ranking positivo desde 2006, mas já teve desempenho melhor. Em 2010, no auge de sua popularidade ao finalizar o segundo mandato, atingiu 71%. A campanha feroz deste ano deixou marcas: há um ano, 51% achavam o petista o melhor.

FHC, decano do tucanato que antes de Bolsonaro polarizava o país com o PT, é o terceiro mais bem colocado na avaliação, citado como melhor presidente por 7%. Quando deixou o cargo, bastante criticado, registrava mais que o dobro disso, 18%.

Figuras da história surgem a seguir, com o mítico Getúlio Vargas (1882-1954) marcando 4% no ranking dos melhores. Ele governou de 1930 a 1945, boa parte do período como ditador, e depois foi eleito democraticamente, ficando no cargo de 1951 a 1954, quando se matou durante uma crise política.

Nome de avenidas e monumentos Brasil afora, notadamente menos na São Paulo que derrotou na Revolução Constitucionalista de 1932, Vargas é um dos mais influentes nomes da política brasileira, tendo assentado leis trabalhistas e uma forma paternalista de exercer o poder que muitos veem como modelo de Lula.

Depois dele, o ícone do desenvolvimentismo brasileiro, Juscelino Kubitschek (PSD, 1956-61), com 2%, mesma marca de Sarney. JK (1902-76) é outro nome associado a um período marcante da história, com a criação de Brasília como seu grande marco simbólico.

Os generais-presidentes da ditadura de 1964, ídolos de Bolsonaro, só têm um representante na lista dos melhores mandatários, justamente com aquele que era visto como o mais medíocre dessa estirpe de ditadores, João Figueiredo (1979-85).

Ele tem 1%, empatado com Dilma, Itamar Franco (PMDB, 1992-94, viveu de 1930 a 2011) e Tancredo Neves (PMDB), que morreu antes de assumir o cargo como primeiro presidente civil após o regime militar, em 1985. Outras citações chegaram a 2%, e 17% disseram não opinar.

O instituto ouviu 2.026 pessoas com mais de 16 anos em 126 cidades do Brasil. A margem de erro do levantamento é de dois pontos para mais ou menos.