Para combater frio e fome, niteroienses intensificam ações de solidariedade no inverno

As baixas temperaturas do inverno dificultam ainda mais a vida de quem está em situação de rua, população que só aumenta na cidade. Este ano, o frio chegou mais cedo, e, para amenizar o sofrimento dessas pessoas, voluntários vêm se desdobrando em ações de solidariedade. E a prefeitura diz que ampliou suas ações.

Desigualdade: Cidades do arco metropolitano de Niterói apresentam alta no nível de pobreza

Meio ambiente: Canal que liga Lagoa de Itaipu ao mar fica completamente fechado

Um projeto que vem crescendo, graças a uma corrente solidária, é o de um dos grupos que fazem doações de quentinhas nas ruas do Centro, promovido por quatro moradoras da Região Oceânica. Elas frequentam o centro espírita Joaquim D’Angola, em São Gonçalo, e participavam de ações de caridade anuais antes da pandemia, mas em agosto do ano passado viram a necessidade de intensificar a ajuda às pessoas em situação de rua.

— Quando nos vacinamos, resolvemos voltar a fazer distribuição de quentinhas e percebemos um aumento muito grande de pessoas na rua. Muitos rostos novos de gente que não estava acostumada com isso. Foi assustadora a diferença. Nós nos propusemos a doar as refeições todas as segundas. No início, fazíamos com recursos próprios, mas não estava dando vazão, então resolvemos pedir a ajuda de amigos, e essa corrente tem crescido. O Centro de Treinamento Eduardo Viana, em Itaipu, abriu as portas para recolher as doações, e estamos conseguindo distribuir de 80 a cem refeições por semana — conta a administradora Marina John.

Um dos voluntários que começaram a atuar com o grupo é o fotógrafo Teo Cury, que passou a registrar a preparação e entrega das refeições e divulgar nas redes sociais para estimular a doação. Informações: doacoesniteroirj@gmail.com.

—No início, ficava um pouco constrangido de fotografar enquanto fazíamos as doações, mas vi que é importante registrar para estimular a doação dos alimentos, para que a gente possa continuar esse trabalho social — explica Teo.

A Secretaria municipal de Assistência Social e Economia Solidária diz que vem intensificando as abordagens sociais desde maio, quando a cidade registrou diminuição da temperatura, e que ampliou o número de vagas para acolhimento emergencial para pernoite com direito a banho, refeição e acolhimento noturno, totalizando 360 na cidade.

“Ainda há vagas disponíveis, e as equipes seguem com as abordagens. No primeiro trimestre deste ano, foram realizadas mais de 1.300 abordagens de busca ativa. A prefeitura está arrecadando, desde maio, agasalhos e artigos de frio, por meio da Campanha Niterói Solidária. Os itens podem ser entregues na sede da prefeitura e nas secretarias de Assistência Social, Defesa Civil, Direitos Humanos, além das administrações regionais, de segunda a sexta, das 10h às 16h”, diz a nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos