Para contornar crise, ministro da Defesa procura presidente do Senado, que diz: 'assunto encerrado'

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA — Um dia após emitir uma dura nota junto com os comandantes da Forças Armadas contra declaração do presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, agiu para tentar acalmar os ânimos com os parlamentares. Pela manhã, o general telefonou para o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O gesto, segundo fontes militares do governo, foi uma “consideração institucional.” Pacheco, por sua vez, foi às redes sociais dizer que tudo não passou de um “mal-entendido” e que o “assunto está encerrado.”

Na conversa, de acordo com relatos ao GLOBO, Braga Netto reiterou a Pacheco que a nota foi um reação pontual à fala de Aziz, mas que não há nada pessoal contra o senador. O texto dizia que as “Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro.”

Os militares ficaram irritados principalmente quando o presidente da CPI disse, em sessão na quarta-feira, que “fazia muitos anos que o Brasil não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do Governo.”

Após a conversa com Braga Netto, Pacheco, por sua vez, foi às redes sociais também em um esforço para estancar a crise institucional. O presidente do Senado relatou conversa com o ministro da Defesa, dizendo que ressaltaram “a importância do diálogo e do respeito mútuo entre as instituições, base do Estado Democrático Direito, que não permite retrocessos”.

“Deixei claro o nosso reconhecimento aos valores das Forças Armadas, inclusive éticos e morais, e afirmei, também, que a independência e as prerrogativas de parlamentares são os principais valores do Legislativo”, escreveu Pachecco. “O episódio de ontem, fruto de um mal-entendido sobre a fala do colega senador Omar Aziz, presidente da CPI, já foi suficientemente esclarecido e o assunto está encerrado.”

Entre os integrantes da CPI, porém, o tema voltou a ser assunto durante o depoimento da ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunização (PNI), Franciele Fantinato. Na sessão, o relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL), reagiu à nota do Ministério da Defesa e dos comandantes das Forças Armadas.

— Esta comissão não pode ser ameaçada sob pretexto nenhum. Nós estamos investigando e retirando a máscara de um esquema que funcionava no Ministério da Saúde que proporcionou o agravamento do número de mortes de brasileiros em função da covid. Ora, se isso vai desvendar a participação de civil ou militar, não importa. O que importa é que esta comissão, foi dito aqui, não vai investigar instituições.

Em seguida, ele se dirigiu ao ministro da Defesa, Braga Netto:

— Então que o senhor Braga Netto saiba que não há nenhuma confusão entre a participação de [Eduardo] Pazuello [general do Exército que foi ministro da Saúde] com as Forças Armadas. O Brasil todo respeita as Forças Armadas e o exemplo que podem continuar dando. De uma forma ou outra, influenciou a formação do Brasil. Mas não pode confundir o nosso papel e achar que vai nos intimidar. Vamos investigar haja o que houver. Se Pazuello participou do morticínio, se Bolsonaro participou do morticínio, se Elcio [Franco, coronel do Exército que foi secretário-executivo do Ministério da Saúde] participou do morticínio, se ele participaram, mas não contaminam as Forças Armadas.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) classificou a reação militar como “desnecessária”.

— No meu entendimento, isso elevou de forma exagerada o tom, e não pode elevar, porque nós não podemos jamais ser complacentes com a corrupção. Existem problemas em todos os Poderes do Brasil, em todos os espaços, em todas as instituições — disse a senadora.

Militares da reserva também não quiseram deixar o assunto esfriar. Em nota, o Clube Militar criticou o Congresso e chamou a CPI da Covid de “Circo Parlamentar de Indecência.

“O Clube Militar acrescenta que a generalização citada pelo presidente do “Circo Parlamentar de Indecência” se enquadra, perfeitamente, para a Instituição a qual ele pertence, onde seus integrantes, em sua grande maioria, não conseguem justificar a origem de seus patrimônios, cuja investigação é sempre bloqueada por uma Suprema Corte que envergonha o nosso Brasil”, destacou a nota.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos