Para desestimular viagens à praia, governo Doria suspende operação descida para o litoral de SP

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* O governador João Doria e o vice Rodrigo Garcia. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO* O governador João Doria e o vice Rodrigo Garcia. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (19) que suspendeu a operação descida do sistema Anchieta-Imigrantes.

"As faixas das rodovias que ficam disponíveis no sentido a Baixada Santista serão reduzidas. O objetivo é desestimular o aumento do fluxo de veículos em direção às praias nesta fase emergencial", disse o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM).

Segundo ele, a medida passa a valer a partir desta sexta (19) e vai ao menos até o fim do mês. "A gente quer reafirmar com esse cancelamento da operação descida que quarentena não é férias. Faremos de tudo, com ajuda dos prefeitos, para desestimular deslocamento de pessoas para o litoral".

O governo estadual tende uma ida em massa ao litoral após decisão da prefeitura paulistana de antecipar feriados.

Covas decidiu adiantar cinco feriados municipais para tentar conter o avanço da doença. Doria, no entanto, afirmou nesta sexta-feira (19) que faltou bom senso da prefeitura.

"As prefeituras têm autonomia para suas decisões, e nós reconhecemos isso. Mas há certas decisões que o bom senso recomenda que sejam compartilhadas previamente com o governo dado ao fato de que a decisão de uma cidade muitas vezes implica em impacto nas cidades vizinhas. Faltou aí um pouco de bom senso da Prefeitura de São Paulo em fazer esse compartilhamento prévio para evitar exatamente o mal-estar que acabou provocando", disse o governador, durante visita ao Instituto Butantan.

Covas, após a manifestação do governador, emitiu uma nota: "O senso que falta é o senso de urgência. Aqui na Prefeitura tem menos falação, foco no trabalho e colaboração. Faço o máximo que posso para defender o povo da minha cidade. Sempre aberto a colaborar com outras cidades e com o governo do Estado. Mas cada um precisa assumir suas responsabilidades."

Rodrigo Garcia divulgou dados que reforçam a queda 62% de pessoas usando o sistema de transporte metropolitana.