Para divulgar o Metaverso, Mark Zuckerberg quer construir lojas físicas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
(Photo by AMY OSBORNE/AFP via Getty Images)
(Photo by AMY OSBORNE/AFP via Getty Images)
  • Lojas servirão para mostrar os aparelhos de realidade virtual e realidade aumentada da empresa

  • Com desejo de ser pioneiro na formação do Metaverso, Zuckerberg quer mostrar que o conceito pode ser divertido e acessível.

  • Recentemente o projeto da Meta recebeu críticas de pessoas envolvidas na criação de espaços virtuais

Mark Zuckerberg está investindo pesado para se tornar pioneiro no Metaverso, espaço virtual de socialização do futuro. Sua empresa, a Meta, empresa de mídia e redes sociais antes conhecida como Facebook, está planejando abrir lojas ao redor do mundo para demonstrar e vender os aparelhos criados pela sua divisão Reality Labs, como headsets de realidade virtual e óculos de realidade aumentada. Esses dispositivos servirão como porta de entrada para as pessoas se familiarizarem com o conceito. As informações são do jornal New York Times.

Leia também:

Os planos sobre a abertura de lojas físicas antecederam a mudança de nome do Facebook em muitos meses, com um trabalho dedicado à iniciativa sendo realizado desde o ano passado, disseram fontes. E o novo projeto, que ainda está em fase de desenvolvimento, pode não seguir em frente. No entanto, se a Meta for em frente com as lojas, será uma novidade para um gigante da tecnologia que existe em grande parte digitalmente, com mais de 3,5 bilhões de pessoas usando seus aplicativos como Facebook, Instagram, WhatsApp e Messenger.

Uma porta-voz da Meta disse que a empresa não pode confirmar os planos para as lojas, mas disse que seu mais recente fone de ouvido de realidade virtual está "em alta demanda" e que seu hardware estava disponível em revendedores parceiros.

Segundo os projetos vistos pela publicação, as lojas parecem modernas, com uma estética minimalista e uma colocação de marca sutil, próximo ao que se vê em uma Apple Store. Os nomes considerados até agora são Facebook Hub, Facebook Commons, Facebook Innovations, Facebook Reality Store and From Facebook, mas o que parece ter sido mais aceito até agora é Facebook Store (Loja do Facebook, em tradução livre).

Recentemente, diversas pessoas envolvidas na construção de metaversos saíram em crítica ao projeto de Zuckerberg. Segundo as acusações ele estaria tentando capitalizar em cima de um conceito que ele não criou e muitos temem os efeitos seus impulsos autoritários no cenário virtual.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos