Para driblar sanções ocidentais, Putin defende aproximação com países dos Brics

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente russo, Vladimir Putin, defendeu nesta quarta-feira (22) a importância de reforçar os vínculos entre os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para enfrentar as sanções ocidentais sem precedentes contra a economia russa, provocadas pelo invasão da Ucrânia.

"Os empresários dos nossos países são obrigados a desenvolver suas atividades em condições difíceis, já que os sócios ocidentais omitem os princípios de base da economia de mercado, do comércio livre", disse o presidente russo aos participantes do fórum econômico do Brics, na véspera da cúpula virtual entre os países.

O presidente russo denunciou "a aplicação permanente de novas sanções por motivos políticos", que contradizem "o bom senso e a lógica econômica elementar".

Nesse contexto, a Rússia está "redirecionando ativamente seus fluxos comerciais e contatos econômicos estrangeiros para parceiros internacionais confiáveis, especialmente os países do Brics", destacou Putin.

"As negociações estão em andamento para abrir lojas da rede indiana na Rússia e aumentar a participação de carros chineses (...) no mercado russo", disse ele.

"As entregas de petróleo russo para China e Índia estão aumentando. A cooperação agrícola está se desenvolvendo de forma dinâmica", assim como a exportação de fertilizantes russos para os países do grupo, segundo o presidente russo.

O presidente da China, Xi Jinping, advertiu nesta quarta-feira (22) contra a "ampliação de alianças militares" em um discurso antes do início da cúpula virtual com os líderes da Rússia, Índia, Brasil e África do Sul.


Leia mais

Leia também:
Em cúpula do Brics, Bolsonaro valoriza “parceria essencial” com a China para vacinação no Brasil
Vladimir Putin vai falar com Bolsonaro sobre possível entrada da Argentina no Brics
BRICS: Bolsonaro pede união dos países-membros e faz críticas à OMS

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos