Para fugir de fraudes em compras on-line, brasileiro aposta no uso de cartões virtuais

·3 minuto de leitura

O maior uso da internet para compras e transações financeiras amplia a oportunidade de aplicação de golpes para criminosos digitais. Para tentar escapar das fraudes, o brasileiro, mais consciente, está apostando no uso do cartão digital. De acordo com o segundo relatório de Análise do Comportamento de Consumo do Itaú Unibanco, relativo ao primeiro trimestre deste ano, o valor transacionado neste meio cresceu 163% em comparação a igual período de 2020, antes da pior fase da pandemia.

A popularização dessa forma de pagamento foi maior ainda entre os jovens da geração Z, nascidos entre 2000 e 2010: nesse grupo, as compras com cartões virtuais cresceram 457%. Já as gerações X e Y, juntas, representam crescimento de 162%. Quando a análise é feita por gênero, o resultado foi que as mulheres passaram a usar três vezes mais esse meio, enquanto os homens passaram a usar duas vezes mais.

O cartão digital é mais seguro porque impede o compartilhamento dos reais dados do cartão de crédito na internet. Funciona assim: o consumidor interessado em fazer uma compra on-line pode gerar, instantaneamente, pelo aplicativo de seu banco, mediante senha ou verificação por biometria, um cartão fictício, com números e código de segurança diferentes do físico, válido exclusivamente para uma única compra on-line. Dessa forma, mesmo que os dados sejam capturados por terceiros, eles não conseguirão fazer compras com as informações roubadas porque elas já terão expirado.

— Com o uso do cartão virtual, o risco de clonagem ou utilização inadequada de dados se torna praticamente nulo. Isso posto, quanto maior adesão dos clientes à utilização dessa facilidade, será possível notar imediata queda na quantidade de golpes e fraudes envolvendo compras com cartão de crédito na internet — argumenta Richard Bento, superintendente de Segurança Corporativa do Itaú Unibanco.

— Para se proteger, o consumidor pode usar cartões virtuais ou, ainda, solicitar um cartão tradicional adicional para compras on-line e efetuar o bloqueio e desbloqueio pelo aplicativo a cada transação — sugere Thiago Bordini, head de threat intelligence na Axur: — Além disso, deve ficar atento à confiabilidade do site, podendo inclusive utilizar a nossa ferramenta gratuita para verificar se o site em que está fazendo compras tem algum código malicioso, o possoconfiar.com.br.

Ainda de acordo com a pesquisa, o comércio online continua ganhando relevância: o valor transacionado pelos canais digitais cresceu 32,5% na comparação com o primeiro trimestre de 2020, o que representa quase nove vezes mais que o das vendas presenciais (+3,7%), passando a responder por uma fatia de mercado de 20,9% do total no período.

O estudo, produzido pela Diretoria de Estratégia e Engenharia de Dados do Itaú Unibanco, em parceria com a área de Pagamentos do banco, com dados das compras feitas com cartões de crédito e débito emitidos pelo banco e das vendas transacionadas pela Rede, sua empresa de meios de pagamento em todo o país, também revelou que aplicativos e restaurantes (+143%) e lojas de departamento (+135,7%) foram responsáveis pelo aumento de consumo no on-line.

Os pagamentos por carteiras digitais também merecem destaque porque cresceram 80% no total — especialmente entre as mulheres com mais de 50 anos (93%) e entre os consumidores da geração Z (192%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos