Para governador de Minas, Constituição 'transformou o Brasil num país um tanto quanto ingovernável'

LUIS IVO/DIVULGAÇÃO

Romeu Zema carrega no pulso direito, desde o ano passado, uma pulseira laranja de borracha do partido Novo. "Deu sorte", diz ele, que se tornou o primeiro governador eleito pela legenda, com 72% dos votos em Minas Gerais.

Na eleição, o candidato que era visto como zebra -e chegou a falar em uma rádio local que o presidenciável tinha posições "um tanto quanto extremistas"- aliou seu nome ao de Jair Bolsonaro (PSL), criando desconforto no partido.

Leia também

Hoje, Zema diz que o termo não seria mais adequado e que não gosta de entrar "em pauta de costumes". O alinhamento com o governo federal, diz ele, é total na pauta econômica.

Zema avalia como positivo o pacote de medidas do pacto federativo, por ir no sentido de enxugar um Estado pesado. Mas, como governador de um dos estados com mais municípios sob risco de extinção, avalia que a proposta não está "100% certa".

Em conversa com a reportagem, ele falou ainda sobre as reparações depois de dois desastres da mineração que somaram quase 389 mortos (Brumadinho e Mariana) e afirmou que acredita que os atrasos se devem a "preciosismo".

PERGUNTA - Volta e meia algum episódio é repercutido como contradição entre o senhor na campanha e o senhor no governo. Foi assim na questão de voos oficiais. É difícil conciliar os dois?

ROMEU ZEMA - Nesse caso, tem sido um preciosismo da imprensa. Falei que tem que acabar com a farra dos voos, agora, [quando] eu pego um avião, vira notícia. Eu diria que nós conseguimos avanço fenomenal, mas parece que emagrecer de 200 kg para 70 kg não foi suficiente porque ficou uma gordurinha.

P - Será que não chama a atenção porque há essa contradição?

RZ - O ideal seria comparar como era. 80% de redução não é suficiente? Meu filho voou comigo, eu olhei o valor da passagem e depositei. Ele mora em São Paulo, eu costumo encontrá-lo a cada 60, 90 dias e não ia mandá-lo viajar de carro e viajar de avião. A origem e o destino seriam os mesmos. Hora nenhuma o avião foi usado com finalidade particular, nem minha nem da minha família. Ele tem sido usado estritamente quando estou a serviço do estado.

P - O senhor olhou o valor da passagem de linha comercial?

RZ - Linha comercial, exato.

P - Um deputado [Alencar Silveira, PDT] diz que o senhor teria transformado o avião em táxi aéreo, o que seria contra as regras.

RZ - Eu vejo isso como de uma pequenez tão pequena, porque não tem nada o que falar do governo. Não tem um escândalo, não tem uma corrupção, e está se mostrando que está dando certo.

P - Na reportagem que o jornal Folha de S.Paulo publicou ano passado sobre uso de disparos de WhatsApp na campanha, uma das empresas citava a campanha do senhor. Como se deu isso e o que acha desse uso?

RZ - Não vou saber te responder detalhes porque não acompanhei os bastidores da campanha de perto. Eu fui, com certeza, o candidato que, disparado, mais trabalhou. Visitei 200 cidades, dirigi 60 mil quilômetros. Sei que minhas contas foram aprovadas, sem ressalvas, e não tivemos verba direcionada à mídia digital, mas não sei detalhes.

P - O uso do WhatsApp foi importante na campanha?

RZ - Eu te diria que o uso de mídia social foi. Eu já usava como empresário e tive um crescimento muito expressivo na campanha e depois de eleito.

P - O senhor conta que representantes do Novo, incluindo o presidente do partido, João Amôedo, vêm a Minas para acompanhar o governo. É como fiscalização do primeiro Executivo do partido?

RZ - É um acompanhamento, é a mesma coisa que eu faço com o meu filho. Sempre que eu vou a São Paulo, eu fico no apartamento dele, que é quase uma quitinete, converso [sobre] como ele está indo na escola, no trabalho. O Novo tem contribuído muito, ajudado numa visão de futuro. É como se fosse um conselho de administração.

P - O que o senhor achou da decisão do partido de suspender a filiação do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente)?

RZ - Está no estatuto do partido que os mandatários não participam de ações partidárias, então me sinto totalmente, como se diz, pouco informado e também não adequado para estar opinando.

P - As notícias dizem que isso criou um racha no partido. E se o senhor tiver que tomar uma posição?

RZ - Eu não estou apto, não sei qual o relacionamento do Salles com o Amôedo, nunca entrei na questão. Como se diria, briga de marido e mulher, eu não quero entrar.

P - Outro ministro, Marcelo Álvaro Antônio (Turismo), chamou o senhor de oportunista durante a campanha por lançar o "Bolsozema", mas também dizer em entrevista que algumas opiniões de Bolsonaro eram "um tanto quanto extremistas". A que opiniões o senhor se referia? Mudou?

RZ - Eu fiz alguns comentários na época, não me recordo bem. Talvez extremista não seja mais adequado, mas, em questão da pauta econômica, o que estamos propondo coincide totalmente com o que o ministro Paulo Guedes e o governo têm proposto.

Agora, não gostamos de entrar em pauta de costumes. Isso cabe ao Parlamento discutir. Questões morais etc., que vai muito de foro íntimo. Temos tantas prioridades, 1 milhão e meio de desempregados aqui em Minas. Vou ficar discutindo um assunto polêmico e deixando de lado tanta coisa urgente que precisamos fazer?

P - O governador de São Paulo, João Doria, também usou a dobradinha com Bolsonaro, no "Bolsodoria". Agora ele tem se afastado e feito críticas ao presidente. O que o senhor acha disso? E qual sua visão para 2022?

RZ - 2022 está tão longe que eu falo que quem está pensando nisso quer construir uma casa e, ao invés de pensar na planta, está pensando na decoração. Mas, voltando à questão do Bolsonaro na minha campanha, eu mencionei ele uma vez. Queria dizer que quem votasse para presidente aqui em Minas no Amôedo ou no Bolsonaro estava votando no Zema, porque era uma posição de liberal na economia.

P - Como o senhor se identifica politicamente?

RZ - Sou um liberal e respeito todos. Respeito a esquerda, apesar de não concordar. Aqui no Brasil, a legislação, a própria Constituição, conspira contra a classe política. Ela transformou o Brasil num país um tanto quanto ingovernável, com tantas exigências, com tantas exceções, que fica difícil você ser um bom gestor.

P - O senhor disse recentemente que o que temos desde o fim do regime militar é uma "democracia irresponsável". O que quer dizer?

RZ - Exatamente isso. É uma democracia que assegura excesso de direitos e pouquíssimos deveres. [O Estado] Deixou claro que seria o grande paizão, e ele não pode ser o grande paizão.

P - O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse que, se a esquerda repetisse os protestos do Chile, seria o caso de discutir um novo AI-5. O que o senhor acha?

RZ - Como liberal, eu acredito piamente na democracia e acredito que é dialogando que vamos encontrar o caminho. Os protestos no Chile, com certeza, têm seu motivo de ser, mas, como país democrático, eles vão encontrar um caminho. Não vai ser prendendo e assassinando pessoas.

P - O senhor nasceu em 1964. Ano de golpe ou revolução?

RZ - Depende da interpretação.

P - A sua interpretação.

RZ - As duas coisas, no meu entender, aconteceram em 1964. Não concordo com o que foi feito, mas tivemos resultados positivos, inegavelmente, e resultados ruins.

P - Quais resultados positivos?

RZ - O regime militar estruturou uma série de instituições que até hoje estão aí funcionando, [como] o Banco Central. Criou coisas que foram importantes, a Eletrobras. Estruturou uma série de instituições, equipou-as melhor, como o BNDES etc., que foram importantes para aquele milagre econômico do Brasil. Na pauta econômica ele foi bem, na pauta de direitos humanos, deixou muito a desejar.

P - Uma das propostas apresentadas na PEC do pacto federativo propõe a extinção de municípios pequenos que não conseguem se manter. Minas, junto com o Rio Grande do Sul, lidera a lista de municípios que podem se encaixar. O que o senhor achou da proposta? Passa?

RZ - Eu vejo difícil de passar, até porque quem está no Congresso não gostaria de desagradar a prefeitos. Mas eu vejo que é o momento de discutirmos o tamanho e o ônus que o Estado acarreta à sociedade. Temos aqui em Minas um município, Serra da Saudade, que é o menor município do Brasil, não tem nem 900 habitantes e tem nove vereadores, o número mínimo, todos eles remunerados. Poderia ter menos vereadores e, quem sabe, serem voluntários.

P - A proposta é boa, então?

RZ - Eu não te diria que ela está 100% certa, não. Acho que um prefeito tem que ser remunerado. Algumas localidades que estão distantes talvez vão ficar prejudicadas. Tem que ser algo muito bem analisado. Mas que eu sou favorável a um enxugamento, sou. Talvez não da forma que foi apresentado.

P - E as demais propostas do pacote, como o senhor avalia?

RZ - O pacote como um todo é extremamente positivo, porque ele vai nesse sentido de que o Estado se tornou pesado demais para a sociedade. Aqui em Minas, quase tudo que arrecadamos é usado para pagar folha e aposentadorias. Cadê o dinheiro para educação, saúde, equipar bem a segurança, infraestrutura?

P - Logo no início do governo, o senhor enfrentou o rompimento da barragem em Brumadinho, com 270 mortos. Acabamos de completar quatro anos do rompimento em Mariana. O seu discurso vai no sentido de defender a importância da mineração para Minas. Como garantir que não se repita?

RZ - Após Brumadinho, a Assembleia aprovou um novo projeto que torna a questão ambiental de barragens mais conservadora ainda. A própria ANM [Agência Nacional de Mineração], a quem cabe fiscalizar a segurança das barragens, foi quem fez as maiores mudanças. Te diria que essas tragédias serviram de lição. Tudo o que está ao nosso alcance temos feito.

P - Mas como fica a sensação de impunidade diante dessas tragédias? O senhor acha que a Vale está respondendo aos atingidos?

RZ - Eu não sou Judiciário nem investigador para dar nenhum parecer aqui. A Fundação Renova tem tido bastante dificuldade no que diz respeito à reparação das cidades afetadas no Vale do Rio Doce, mas foi criada uma série de situações que torna a atuação dela complicada.

P - Por exemplo?

RZ - Tem havido muitas vezes um preciosismo. Dou um exemplo: termos de atender 100 mil refugiados que chegaram em Minas. Então, alguém do setor público fala: "Nossa, eles andaram muitos quilômetros, estão famintos, eu quero que a gente faça individualmente, para cada um, o prato que ele mais gosta". Até você viabilizar isso, a metade já morreu de fome. Agora, se eu falar: "Vamos dar arroz, feijão, um bife, um ovo e uma salada para todo mundo", talvez eu não dei o prato que ele tanto desejaria, mas resolvi o problema.

No caso de Bento Rodrigues, em Mariana, para cada um dos que foram afetados, teve um arquiteto que desenhou uma casa específica. Ótimo, mas será que, para pessoas que estavam em uma residência, em um povoado muito humilde, uma casa de 200 metros quadrados bem construída, confortável, não teria solucionado mais rápido quatro anos atrás? Até hoje, eles não estão em suas moradias.

P - E a resposta da Vale, que aconteceu em seu governo?

RZ - São situações que falam: "A Vale não está tendo agilidade". Mas, muitas vezes, essa agilidade não ocorre por causa de obstáculos como esse que te falei. Em vez de dar o PF [prato feito] que vai matar a fome, quer dar o prato dos sonhos.

P - O que fez o senhor decidir entrar na política?

RZ - O que me fez entrar foi um convite do partido Novo, não tenho constrangimento de falar. A crise de 2015/16, na qual eu sofri muito, tive de demitir muitas pessoas, me mostrou que não adianta você estar tentando fazer o melhor em termos de setor privado, como eu fazia, num país que estava caminhando para se tornar uma Venezuela. É você estar decorando a sua cabine no Titanic. Eu aprendi mais neste primeiro ano de governo que nos dez anteriores.

Da FOLHAPRESS