Para lutar contra ômicron, França impõe máscara novamente em espaços abertos e incita trabalho remoto

·1 min de leitura

O chefe do governo francês, Jean Castex, e o ministro da Saúde, Olivier Véran, apresentaram nessa segunda-feira (27) a nova estratégia de luta contra a pandemia de Covid-19 no país. Diante da retomada do surto, que se acelera com a variante ômicron, a França vai reinstaurar o uso de máscaras de proteção em espaços abertos, além de incitar fortemente o trabalho remoto. O governo também vai impor novas regras de frequentação de bares, restaurante, cinemas e shows e o prazo para a administração da dose de reforço da vacina será reduzido.

“A situação sanitária na França é extremamente tensa”, disse Castex logo no início da coletiva de imprensa. “Tudo isso parece um filme sem fim”, completou. O chefe do governo lembrou que o país já ultrapassou a barra simbólica dos 100 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas (recorde batido há dois dias) e insistiu que “o elemento decisivo [para lutar contra a pandemia] é e continua sendo a vacinação”.

O ministro da Saúde disse que ainda não é possível afirmar com certeza se a variante ômicron é mais perigosa que a delta. Mas lembrou que esta cepa é mais contagiosa e pode resistir menos à vacina para quem ainda não tomou a dose de reforço. "Apenas metade das pessoas que deveriam tomar a dose de reforço já foram imunizadas", detalhou Véran.

Por essa razão, o governo decidiu reduzir o intervalo exigido atualmente para tomar a dose suplementar do imunizante. “A partir de agora, apenas três meses serão necessários para tomar a dose de reforço”, declarou o premiê.


Leia mais

Leia também:
Variante ômicron torna-se dominante em Portugal, um dos países mais vacinados do mundo
Trabalhadores de Nova York agora são obrigados a se vacinar contra a Covid

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos