Para Mandela, a rainha era simplesmente 'Elizabeth'

Nelson Mandela chamava a rainha Elizabeth II por seu nome, um privilégio incomum no rígido protocolo da monarquia, lembrou nesta sexta-feira (9) a fundação do herói da luta contra o apartheid, ao compartilhar varias anedotas sobre sua amizade.

Mandela, que passou 27 anos na prisão antes de se tornar o primeiro presidente da jovem democracia sul-africana, e a rainha Elizabeth II, que morreu na quinta-feira (8) aos 96 anos, mantinham uma amizade próxima, explica a Fundação Mandela em nota.

"Eles se falavam com frequência ao telefone, chamavam-se pelos respectivos nomes, em sinal de respeito e afeto mútuos", afirma o texto.

"Como ele mesmo disse, Nelson Mandela era um anglófilo e, nos anos que se seguiram à sua libertação, cultivou um vínculo estreito com a rainha", acrescentou.

O líder sul-africano, que morreu em 2013, aos 95 anos, também deu à soberana o apelido de "Motlalepula", que significa "chegada com a chuva". Em uma visita de Estado em 1995, "Elizabeth" chegou ao mesmo tempo que chuvas torrenciais "como há muito não se viam" na ex-colônia britânica, explicou Mandela dois anos depois em um banquete em homenagem ao então príncipe Charles, hoje monarca.

Durante os últimos anos de sua vida, Madiba (o nome do clã de Mandela) se divertiu perguntando ironicamente a todo britânico ou pessoa que voltava do Reino Unido: 'Você conheceu a rainha?', antes de explicar suas próprias anedotas com a soberana.

A fundação se junta às demonstrações de dor ao redor do mundo para dizer "'hamba kahle' (vá em paz) à rainha".

ub-ger/pz/es/meb/aa