Para não ler discurso em teleprompter, Bolsonaro queria improvisar em rede nacional

Reprodução

Um dos desafios do presidente Jair Bolsonaro é conseguir ler um texto para uma câmera com um telepromter. Por isso, o presidente sugeriu improvisar o pronunciamento em cadeia aberta de TV e rádio sobre a reforma da previdência, que foi ao ar na noite de quarta-feira (24).

As informações são do O Globo.

Bolsonaro não é familiarizado com o teleprompter, equipamento que exibe texto para ser lido diante das câmeras e idealizado para permitir a leitura de maneira que os ouvintes mal percebam que se está lendo. Mas, segundo a publicação, o resultado não agrada o presidente.

A equipe de comunicação do Planalto precisou encontrar uma forma de facilitar a leitura do presidente. O texto comumente exibido em letras maiúsculas foi substituída por iniciais maiúscula e as demais minúsculas. Segundo a publicação, a mudança foi aprovada por Bolsonaro.

No vídeo de dois minutos, Bolsonaro agradeceu o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, pelo "comprometimento" na aprovação da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Ele destacou que conta com o "espírito patriótico" dos parlamentares na tramitação da medida na Comissão Especial.

Jair Bolsonaro ainda afirmou que, se o texto não for aprovado, o governo não poderá fazer investimento nas áreas da saúde, educação e segurança, e encerrou o discurso dizendo que com a Reforma da Previdência o país vai retomar o crescimento.

“É muito importante lembrar que se nada for feito o país não terá recursos para garantir uma aposentadoria para todos os brasileiros. Sem mudanças, o governo não terá condições de investir nas áreas mais importantes para as famílias como saúde, educação e segurança. Temos certeza que a Nova Previdência vai fazer o Brasil retomar o crescimento, gerar emprego e principalmente reduzir a desigualdade social, porque, com a reforma, os mais pobres pagarão menos. O Brasil tem pressa”, encerrou.