Para Renan, depoimento de Luana atesta falta de autonomia do Ministério da Saúde

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 01.06.2021: CPI-COVID-DF - O relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 01.06.2021: CPI-COVID-DF - O relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Balanço do senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, levanta quatro pontos de destaque no depoimento que a médica Luana Oliveira, ex-secretária extraordinária de enfrentamento à Covid, presta à comissão.

Para o senador, a declaração da médica prova que o Ministério da Saúde não tem autonomia para formar a equipe e ditar políticas públicas.

Renan destacou as declarações da infectologista de que havia convidado bons profissionais para compor sua equipe, mas que alguns não aceitaram por conta da polarização política e que possivelmente seu nome não teria sido aceito pelo presidente da República.

O relator também destacou momento em que Luana disse que sua família e ela própria foram alvo de ameaças.

Na avaliação do senador, a médica também ficou isolada no governo nas suas manifestações ao contrariar a defesa do tratamento precoce e o uso de cloroquina no tratamento da Covid.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos