'Para a situação que tínhamos, eleição foi um sucesso', diz presidente do TRE-RJ

Camila Zarur
·3 minuto de leitura

RIO — O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ), o desembargador Cláudio Brandão de Oliveira, afirmou que a votação no estado teve poucas ocorrências para “uma eleição desta magnitude”. Segundo o levantamento parcial da própria corte, foram registradas 24 ocorrências ao longo do domingo, sendo que 22 tiveram detenções. Entre os detidos, sete eram candidatos a vereador.

Ainda assim, Oliveira afirma que, para o que havia sido previsto, os números não são maiores do que já acontecem nesta época.

— As eleições transcorreram de uma forma absolutamente tranquila e, para a situação que nós tínhamos algum tempo atrás, é possível hoje afirmar que foi um sucesso a eleição aqui no estado do rio de janeiro — disse Oliveira, em uma entrevista coletiva logo após o fechamento das urnas. — O que ocorreu foi muito pouco para uma eleição dessa magnitude.

Questionado sobre como ocorreu a eleição em áreas dominadas pela milícia, o desembargador afirmou ainda que houve um planejamento intenso entre as forças de segurança do Estado do Rio e as polícias federais, além da Guarda Municipal. Isto porque, segundo ele, a votação deste ano não teve o auxílio das Forças Armadas.

— Houve um planejamento muito intenso em relação a isso, já que esse ano nós não solicitamos o auxílio das Forças Armadas. Todo o planejamento que foi feito foi cumprido. Não há nenhum registro de violência maior. A gente vai ter problema de ocorrência policiais, mas nada que ultrapasse o que normalmente acontece nesse período — afirmou.

Entre a detenções, a maioria foi sob acusação de boca de urna e compra de votos. Isso aconteceu na capital e nas cidades de Belford Roxo, São Gonçalo, São João de Meriti, Búzios, Petrópolis, Teresópolis, Santa Maria Madalena, Natividade, Paraíba do Sul e Italva.

Os candidatos detidos foram: Alexandre Martins (Republicanos), em Búzios; Beto Ribeiro (Avante) e Sapão (MDB), em Santa Maria Madalena; Edemílson da Mota (Solidariedade), em Natividade; Sargento Flavio da Banca (PT), em São Gonçalo; Rodrigo Guimarães (PSB), em Petrópolis; Dayse Alexandre Neves (PL), candidata à prefeitura de Paraíba do Sul. Não foi divulgado o nome do candidato detido em Teresópolis.

De acordo com o TRE-RJ, 546 urnas tiveram que ser substituídas nesta eleição. O número representa 1,75% de todas as urnas. Segundo o presidente do tribunal, apesar do número se relativamente baixo em comparação ao universo de todas as máquinas usadas neste domingo, ele é um pouco maior em relação às eleições anteriores.

Oliveira explicou que isso se aconteceu porque não houve licitação de novas urnas por parte do Tribunal Superior Eleitoral (TSE):

— A licitação para aquisição de novas urnas foi conduzida pelo Tribunal Superior Eleitoral e, por problemas relacionados ao procedimento em si, não foram adquiridas novas urnas. Alguns estados da federação tiveram que ceder para outras. Foi o que aconteceu com o estado do Rio de Janeiro. E também as urnas mais antigas deixaram de ser utilizadas.

Além da capital, a Baixada Fluminense foi uma das regiões onde mais urnas tiveram que ser substituídas. As cidades que mais tiveram ocorrência do tipo foram: Rio (327), Nova Iguaçu (43), Belford Roxo (30), São João de Meriti (25), Queimados (22), Mesquita (19), Seropédica (15) e Nilópolis (12).