Para tentar estancar a crise, Disney destitui CEO e traz de volta o anterior

Pouco mais de uma semana depois de anunciar uma campanha de corte de custos em toda a empresa, incluindo o congelamento de contratações, a Walt Disney demitiu hoje seu CEO Bob Chapek e anunciou que está trazendo de volta Bob Iger para retomar as rédeas. A maior empresa de mídia do mundo informou em comunicado que a decisão foi efetivada imediatamente.

"Somos gratos a Bob Chapek por seus serviços prestados à Disney ao longo de sua longa carreira", disse Susan Arnold, presidente do conselho da Disney. O conselho entende que, à medida que o conglomerado "embarca em um período cada vez mais complexo de transformação da indústria, Bob Iger está em uma posição única para liderar".

Leia mais: Meta anuncia demissões de 11 mil e congela contratações Leia também: Twitter é processado por demissão em massa e perde anunciantes

Chapek foi presidente-executivo por dois anos, período em que Wall Street levantou preocupações sobre o aumento das despesas da empresa. Só neste ano, as ações caíram 41%. Já Iger, que comandou a gigante por 15 anos, quintuplicou o valor de mercado da Disney no período. Foi o próprio Iger que promoveu Chapek como seu substituto em 2020, mas a relação entre os dois estremeceu logo depois.

- Estou profundamente honrado por ser convidado a liderar esta equipe extraordinária novament - disse Iger, que esteve à frente da Disney nas aquisições de Pixar, Marvel, Lucasfilm e 21st Century Fox, e no lançamento do Disney+ e ESPN+.

A gigante do entretenimento chocou os investidores há duas semanas quando divulgou dados de vendas e lucros trimestrais abaixo do esperado, com dois de seus principais negócios – streaming e parques temáticos – registrando resultados considerados decepcionantes.